Logística reversa das latas de aço conquista o 1º lugar entre as “Melhores Práticas Sindicais” na FIESP

Campanha em parceria entre o SINIEM com o sistema Prolata, desenvolvido pela Abeaço, é premiada na categoria Defesa do Setor

Aconteceu em 07 de novembro de 2019 no auditório nobre na sede da FIESP – Federação das Indústria do Estado de São Paulo a solenidade de entrega da 5ª edição do Prêmio Melhores Práticas Sindicais, presidida por Paulo Skaf. A iniciativa contou com a participação das federações da indústria de Santa Catarina (FIESC), Minas Gerais (FIEMG), e do Rio de Janeiro (FIRJAN) com a presença de seu presidente Eduardo Eugênio.

O SINIEM – Sindicato Nacional da Indústria de Estamparia de Metais, filiado à FIESP, foi o sindicato empresarial vencedor na categoria “Defesa Setorial” com o “case” de sua parceria com a ABEAÇO – Associação Brasileira de Embalagem de Aço, em que ambas entidades atuaram em conjunto dedicadas a implantar a campanha de logística reversa. O presidente do SINIEM, Rogerio P.S. Marins, recebeu o troféu. “ O programa Prolata é trabalho conjunto de equipe, relevante para os fabricantes de latas e para a defesa do meio ambiente”, assinalou.

Por meio da Associação Prolata Reciclagem, criada em 2012, o setor de latas de aço hoje conta com centro de recebimento em São Paulo para latas pós-consumo e 51 cooperativas de catadores conveniadas em 14 estados e pontos de entrega voluntária (PEV).

Em 21 de dezembro de 2018 a ABEAÇO assinou o Termo de Compromisso para Implantação e Sistema de Logística Reversa de Embalagens e Aço , com base no sistema Prolata Reciclagem. E em abril deste ano 2019, o SINIEM apoiou a divulgação do Manual de Conduta para Latas de Tintas Pós-consumo, nas versões para fabricantes de tintas e outra para a revenda e comércio. Estes manuais da ABEAÇO são distribuídos em todo o território nacional, e contam com o reconhecimento da Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público do Meio Ambiente – ABRAMPA.

As ações conjuntas visam defender o setor de latas de aço para que os fabricantes associados atendam de forma correta as exigências dos órgãos ambientais  e assim evitem autuações. A campanha de implantação da logística reversa promove, sobretudo, a conduta transparente nas cadeias produtivas das latas de aço perante as autoridades e estimula a conscientização dos usuários e consumidores, enfatiza Thais Fagury, presidente da ABEAÇO e diretora do Prolata.

Os ganhos ambientais resultantes do sistema Prolata são expressivos:  foram recicladas 26 mil toneladas de aço; com a economia de cerca de 30 mil toneladas de minério de ferro; 4 mil toneladas de carvão mineral; e 70% da água utilizada no processo. Calcula-se a redução de 45.800 toneladas de emissão de gases que equivalem à preservação de 527.500 árvores.

HISTÓRICO

Desde 2008 o SINIEM – Sindicato Nacional da Indústria de Estamparia de Metais, entidade que reúne a maioria dos fabricantes de latas do país tem trabalhado em conjunto com a Abeaço – Associação Brasileira de Embalagem de Aço para implantar de forma eficiente a reciclagem das embalagens metálicas.

Naquele ano Abeaço e Siniem realizaram visitas técnicas em países europeus para verificar as operações de separação e reciclagem de embalagens metálicas. Constatou-se que o metal é o único material com valor comercial e que não se degrada durante a reciclagem. Ou seja, os metais (aço e alumínio) são considerados materiais permanentes na União Europeia. E o aço, especificamente, é 100% reciclável e não agride a natureza.

Desde então, foram promovidas inúmeras reuniões com os fabricantes de latas de aço para esclarecer as ações para o cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos, instituída em 2010 em âmbito federal, e também focalizar as legislações estaduais.

Com o objetivo de analisar as soluções que visam reduzir os resíduos gerados por embalagens, a Abeaço, com o apoio do Siniem, promoveu em em 11 de setembro de 2019 na FIESP o  debate sob o tema “A importância da embalagem frente à PNRS”, que contou com a participação de autoridades do Ministério Público do Meio Ambiente

O Brasil gera cerca de 78,4 milhões de toneladas de resíduos sólidos por ano e 70% dos municípios têm algum tipo de coleta seletiva. Porém, os serviços públicos de limpeza não conseguem abranger nem a metade do lixo produzido.

Um dos debatedores, José Eduardo Ismael Lutti, vice-presidente da ABRAMPA – Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público do Meio Ambiente, alertou que a responsabilidade de informação ao consumidor cabe ao fabricante da embalagem, ao distribuidor e à ponta do varejo: “Não esperem campanhas do governo, a legislação determina que cada cadeia produtiva seja responsável pela gestão dos resíduos sólidos.”

Premiados os melhores “cases” dos sindicatos empresariais                                                                                                                                                  Foto por: AZM Comunicações

Rogerio P.S. Marins, presidente do SINIEM, à esquerda de Paulo Skaf e líderes industriais                                                                                                            Foto por: AZM Comunicações

Marins e Teixeira com Cristine Fulchini e Gisele Rinaldi, da equipe Abeaço / Prolata Reciclagem                                                                                                                                                              Foto por: AZM Comunicações

 

     

Manuais orientam como proceder com as latas de tintas pós-consumo: