Quais os desafios da gestão empresarial? Pesquisa Rumos apresenta os principais pontos a serem superados pela indústria

A pesquisa foi realizada com 293 indústrias de transformação no Estado de São Paulo e apresentada durante seminário sobre gestão empresarial

Tássia Almeida, Agência Indusnet Fiesp

Para identificar os principais obstáculos e dificuldades que as pequenas, médias e grandes indústrias enfrentam no dia a dia do seu negócio, a Fiesp realizou Pesquisa Rumos com 293 indústrias de transformação no Estado de São Paulo, sobre Gestão e Capacitação Empresarial. O estudo mostrou que os principais desafios a serem enfrentados relacionados à gestão/administração da empresa são: Vendas em primeiro lugar com 31,7%, seguido de Gestão de Pessoas /RH com 28,0%. Em terceiro, Gestão Tributária com 26,6%. Em quarto, Gestão Financeira com 22, 9% e empatadas, em quinto, com 22,5%, Produção Logística e Qualidade, e Administração e Planejamento.

Outros desafios a serem enfrentados são Indústria 4.0 com 20,5% das indústrias entrevistadas e Inovação/Tecnologia com 17,7%. A pesquisa foi realizada com empresas de diversos setores e portes com questionário eletrônico disponível na internet e apresentada durante o seminário Os Desafios da Gestão Empresarial, realizado na última terça-feira (29/10), na Fiesp. Do total das entrevistadas, 17,1% são Micro, 52,9%, Pequenas, 25,3%, Médias e 4,8%, Grandes.

Renato Corona, gerente do Departamento de Economia, Competitividade e Tecnologia da Fiesp, destacou que vender tem sido o maior desafio dos empresários devido ao cenário de crise econômica que impacta diretamente na gestão de pessoas, segundo a pesquisa. “Se o empresário não vende, ele não consegue a retenção dos talentos. Tem dificuldades para manter as pessoas e a indústria requer mão de obra qualificada”, disse.

A Indústria 4.0 surpreendeu ao ocupar o 7º lugar na lista de desafios do empresariado. Corona destaca que os investimentos em pesquisa e inovação deveriam ser maiores, mas a indústria acaba indo para o campo da sobrevivência. Vicente Manzione, diretor do Departamento da Micro, Pequena, Média Indústria e Acelera Fiesp, afirmou que a indústria 4.0 é uma necessidade. Quando o assunto começou a ser debatido, ele achou que precisaria mudar toda a fábrica, mas contatou o Senai-SP que instalou um programa de manufatura enxuta na sua empresa. “São coisas muito simples que você pode fazer ao longo do tempo e que melhora significativamente o resultado da empresa”, garantiu. Com a manufatura enxuta, ele conquistou 40% de ganho em uma linha de produção. “A crise te faz sair fora dia a dia. Você começa a pensar em alternativas”, concluiu.

Beatriz Alves, CEO da Br Goods, pontuou que o resultado da pesquisa é vivido por ela. “São os desafios que eu tenho e vou ter”, afirmou. Ela ainda comentou sobre a importância de investir em inovação. “Falo de uma inovação horizontal, de chão de fábrica, de processos e não disruptiva, que está longe, custa caro e precisa de tempo. Colocamos inovação em várias áreas da Br Goods e crescemos 30% este ano, com expectativa de chegar a 40%”, informou. Um dos caminhos foi investir em gestão de pessoas, capacitando mais o time de representantes. “São eles que estão mais próximos dos clientes. Capacitação é o que te tira de um lugar para o outro”, finalizou.

Para conferir a pesquisa, acesse este link.

Em evento sobre gestão empresarial, destaque para desafios da indústria: vendas, gestão de pessoas, tributária e financeira, além de questões ligadas à qualidade, logística e inovação. Foto: Everton Amaro/Fiesp