Relações bilaterais com o Brasil e acordo com o Mercosul são temas de encontro de Paulo Skaf e Ministro do Comércio Exterior do Líbano

Autoridades discutiram a possibilidade de os dois países firmarem um Acordo Preferencial de Comércio e um Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimento

Mayara Moraes, Agência Indusnet Fiesp

Nesta quarta-feira (7/5), o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, recebeu o ministro do Comércio Exterior do Líbano, Hassan Mourad, durante encontro para tratar de relações bilaterais ente Brasil e Líbano e eventuais acordos entre o país árabe e o Mercosul.

Acompanhado por uma comitiva que incluiu o Cônsul Geral do Líbano no Brasil, Rudy El Azzin, o ministro libanês abriu a reunião, demonstrando seu interesse em estreitar os vínculos entre os dois países. “Queremos fortalecer o vínculo entre o povo brasileiro e o povo libanês”, disse Mourad. “Como político e ministro, minha primeira visita ao exterior foi ao Brasil”, lembrou ele, que nasceu em São Paulo.

A autoridade reforçou o entusiasmo em intensificar relações bilaterais com o Brasil e estabelecer acordos com o Mercosul para agilizar os intercâmbios comerciais.

De acordo com a delegação libanesa, o que mais preocupa a equipe econômica do país são as taxas de importação impostas pelo Brasil, que encarecem produtos libaneses como vinho, azeite de oliva, mel e melaço de uva.

“Buscamos a liberação de nossos itens sem taxas alfandegárias”, disse o ministro libanês. “Na contramão, queremos produtos brasileiros no Líbano, e estamos resolvendo problemas que itens, como carne e açúcar, têm enfrentado para entrar no nosso mercado”, garantiu Mourad.

Além de comércio, o governo libanês tem interesse em atrair investimentos brasileiros para a região, por meio de um projeto ambicioso de reconstrução da Síria. “O Líbano pode se tornar a ponte de atividades dessas empresas e a base de seus negócios”, ressaltou a autoridade libanesa.

Paulo Skaf recebeu com entusiasmo todas as sugestões feitas pelo ministro. “O que pudermos fazer para ter mais proximidade com o Líbano, vamos fazer”, assegurou o presidente da Fiesp e do Ciesp. “Meu pai é libanês, e existe um sentimento de união muito grande entre nós”, destacou.

Skaf também prometeu fazer o que for possível para minimizar as dificuldades impostas à importação de itens libaneses. “Vamos conversar com o Itamaraty para trazer esses produtos de forma mais competitiva para o Brasil, além de estudar a viabilidade de um Acordo Preferencial de Comércio e um Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimento”, afirmou o executivo.

Além do fortalecimento das relações bilaterais econômicas e comerciais, a Fiesp também deve ser um grande aliado do Líbano no diálogo com o Paraguai, cujos produtos competem diretamente com as mercadorias libanesas, e o bloco sul-americano. Recentemente, a Fiesp recebeu a visita da ministra da Indústria e do Comércio do Paraguai, Liz Cramer, para discutir alternativas de cooperação e integração entre os dois países. Os pontos levantados pelo ministro libanês devem ser discutidos em uma futura visita do presidente paraguaio à sede da Fiesp ou levados à sua equipe econômica.

Paulo Skaf e o ministro do Comércio Exterior do Líbano, Hassan Mourad. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp