Planejamento do nível de estoque

A determinação do valor a ser alocado nos estoques é determinante para definirmos os “financiadores do CAPITAL DE GIRO” da empresa. Subintendendo que “CAPITAL DE GIRO” compreende o “DISPONÍVEL” mais o “REALIZÁVEL A CURTO PRAZO”, também definido como “CAPITAL CIRCULANTE”.

Levando-se em consideração que temos a obrigatoriedade de termos estoque mínimo, estoque de segurança, estoque para estações, safra, etc…, dependendo do tipo de produto que trabalhamos, sempre poderemos definir o valor a ser alocado em nossos estoques de maneira que estejamos tendo “FONTES DE FINANCIAMENTO” condicionadas a “custo zero”, ou mais próximo possível deste ponto.

Lembrando que sempre poderemos ser financiados pelo FORNECEDOR, por TERCEIROS onerado por despesas financeiras e/ou pelo nosso lucro.

Essas fontes não são alternativas, mas sim complementares, e esse “mix” poderá ser-nos favorável ou não, tudo vai depender da estratégia que estivermos pondo em ação.

Determinar a possibilidade de “especulação” com os estoques somente em condições muito específicas, quando o resultado de nosso planejamento de termos o nosso estoque financiado pelos nossos lucros for alcançado.

O perfeito dimensionamento do valor a ser alocado em nossos estoques é fator crucial para elevarmos a nossa oportunidade de termos financiamento de terceiros como fator de alavancagem do retorno de nosso investimento.

As empresas ligadas ao Sindimilho & Soja possuem uma prestação de serviços especializada nesta área. Consulte o Sindimilho & Soja, estamos a sua disposição.

Fonte: Êxitos Planejamento Econômico Financeiro e Tributário (Osvaldo Peres da Silva)