Presidente do SIMDE e Diretor titular do COMDEFESA da FIESP recebe Ministro da Defesa

No último dia 12 de agosto, o diretor-titular do COMDEFESA e diretor-presidente do SIMDE, Carlos Erane Aguiar, promoveu reunião com a presença de Ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva. A reunião foi aberta pelo presidente da FIESP, Paulo Skaf e contou ainda com a presença de várias autoridades, entre as quais, do Secretário de Produtos de Defesa, Marcos Degaut.

Na abertura, o presidente da Fiesp e do Ciesp, Paulo Skaf, destacou o trabalho da Federação nessas áreas: “Há mais de quatorze anos trabalhamos com o objetivo de aproximar a indústria da Defesa, o governo e as Forças Armadas brasileiras e este encontro é uma oportunidade muito positiva e vale destacar o trabalho de toda diretoria do Deseg, liderada pelo Carlos Erane”.

Em sua apresentação, Fernando Azevedo e Silva destacou a importância da Base Industrial de Defesa para o fortalecimento do setor de defesa e segurança do Brasil. Lembrou que esta base é responsável por mais de 285 mil empregos diretos e outros 850 mil indiretos e representa 3,7% do PIB brasileiro. Pontuou ainda que o comércio exterior de produtos de Defesa movimenta, mundialmente, em média, US$ 400 bilhões por ano e cada real investido em programa de Defesa representa um retorno de cerca de 10 reais para o pais.

Já o diretor-presidente do SIMDE, Carlos Erane Aguiar, fez um pequeno resgate histórico ao lembrar das aspirações do Brasil em obter assento permanente no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). De acordo com ele, o país atende vários requisitos, como regime democrático, eleições universais, imprensa livre e economia de relevo no cenário mundial, mas esbarra em gastos e investimentos em Defesa necessários para cumprir com as obrigações junto ao Conselho de Segurança da ONU. “Infelizmente, se compararmos o Brasil com seus vizinhos aqui no Cone Sul, investimos menos percentualmente em relação ao PIB do que Chile, Colômbia, Bolívia, Equador, Uruguai e Honduras”, informou Erane.

Erane acentuou ainda as assimetrias fiscais que trazem enormes dificuldades para as empresas de defesa do Brasil, uma vez que são obrigadas a competir com produtos importados que entram no país sem impostos e, ao mesmo têm que arcar com uma pesada carga tributária, somando-se a isso os inúmeros entraves no quesito certificação.

No final da reunião, o Ministro e o Secretário de Produtos de Defesa disseram estar cientes das dificuldades na nossa Base Industrial de Defesa e Segurança e se comprometeram a envidar esforços no sentido de solucionar os entraves e contribuir para seu fortalecimento.

Após a reunião do Deseg (COMDEFESA) o Ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, o presidente da FIESP Paulo Skaf e o diretor titular do Deseg, Carlos Erane Aguiar, participaram da abertura do Curso de Gestão de Recursos de Defesa, numa realização conjunta da FIESP com a Escola Superior de Guerra.

Abertura do Curso de Gestão de Recursos de Defesa