Indústria brasileira ficou estagnada no 1º semestre, diz CNI

Horas trabalhadas na produção, indicador de atividade, apresentou crescimento zero nos seis primeiros meses do ano. Emprego industrial caiu 0,1%, informou a entidade.
A indústria brasileira registrou estagnação no primeiro semestre deste ano, segundo levantamento realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgado nesta quinta-feira (1º).
As horas trabalhadas na produção, indicador do nível de atividade, apresentaram crescimento zero no período, ao mesmo tempo em que o emprego industrial apresentou queda de 0,1%. Já o faturamento da indústria recuou 1% nos seis primeiros meses deste ano.
“A indústria encerra o semestre sem avanços em termos de atividade e emprego. Fica evidente que, além das medidas estruturantes, de longo prazo, necessárias para um novo ciclo de crescimento, também são urgentes e críticas medidas de curto prazo para estimular a economia”, avaliou o economista da CNI, Marcelo Azevedo.
Na semana passada, a área econômica do governo anunciou a liberação de saques de contas ativas e inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e do PIS-Pasep. A previsão é injetar R$ 42 bilhões na economia até 2020. Os saques do PIS-Pasep começam em agosto.
Para o economista da CNI, a redução de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros, para 6% ao ano, anunciada nesta quarta-feira pelo Banco Central, foi um “fundamental primeiro passo nesse sentido”. Ele avaliou que “há espaço para novas quedas” da taxa Selic.
“Adicionalmente, medidas que facilitem e reduzam o custo do financiamento também seriam muito importantes”, concluiu Marcelo Azevedo.
Expectativa de crescimento menor em 2019
No fim de julho, a entidade cortou mais uma vez a projeção de crescimento da indústria brasileira para todo este ano. A taxa estimada de 0,4% de crescimento é quase um terço da prevista em abril, quando o setor esperava uma expansão de 1,1% para este ano.
Segundo a CNI, o fraco resultado do primeiro trimestre, associado aos problemas enfrentados pela indústria extrativa, explicam a revisão.
A entidade lembrou que a indústria extrativa recuou 6,3% no primeiro trimestre de 2019, afetada pelo rompimento da barragem em Brumadinho (MG).
Fonte: https://g1.globo.com/economia/