Confiança empresarial tem em junho 1ª alta desde janeiro, aponta FGV

Na média do segundo trimestre, no entanto, houve queda de 3,3 pontos em relação ao trimestre anterior.
O Índice de Confiança Empresarial (ICE), da Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 0,6 ponto em junho de 2019, para 92,6 pontos. Na métrica de médias móveis trimestrais, o índice recuou pela quarta vez consecutiva, em 0,4 ponto. Na média do segundo trimestre, houve queda de 3,3 pontos em relação ao trimestre anterior.
O componente Índice de Situação Atual Empresarial (ISA-E), que retrata a percepção sobre a situação atual dos negócios, subiu 0,3 ponto em junho, para 89,9 pontos, retornando ao nível de março de 2019.
O índice tem oscilado numa estreita faixa em torno dos 90 pontos, baixa em termos históricos, desde março de 2018.
O Índice de Expectativas (IE-E) subiu 1,1 ponto no mês, para 99,3 pontos, recuperando parte da queda sofrida nos dois meses anteriores.
Em junho, a confiança avançou em 65% dos 49 segmentos que integram o ICE. O destaque do mês é a construção, setor na qual 82% dos segmentos registraram alta. No mês anterior, a disseminação da alta havia alcançado apenas 27% dos segmentos.
Entre os setores que compõem o ICE, apenas a confiança na indústria recuou, em 1,5 ponto, em junho. A confiança no setor de serviços avançou 2,2 pontos, recuperando um quarto das perdas dos quatros meses anteriores. O avanço de 1,2 ponto na confiança do comércio é seu primeiro resultado positivo em 2019 e representa apenas 13% das perdas dos meses anteriores. A confiança na construção subiu 2,1 pontos, levando a uma pequena variação positiva em médias móveis trimestrais.
“A primeira alta da confiança empresarial desde janeiro é um resultado favorável, mas que deve ser interpretada como uma acomodação e não como um marco de reversão da tendência declinante dos meses anteriores. Somente uma mudança no quadro atual, que combina nível de atividade fraco e incerteza elevada, levará a uma recuperação consistente da confiança. Entre os setores, destaca-se o primeiro sinal positivo da construção no ano, enquanto a indústria de transformação segue patinando”, afirma Aloisio Campelo Jr., superintendente de Estatísticas Públicas da FGV.
O Índice de Confiança Empresarial (ICE) consolida os índices de confiança dos quatro setores cobertos pelas Sondagens Empresariais produzidas pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV: indústria, serviços, comércio e construção.
Fonte: https://g1.globo.com/economia/