imagem google

Setor produtivo e trabalhadores farão ato contra desindustrialização e pelo emprego

Manifestação, programada para 4 de abril, reunirá líderes do setor produtivo, sindicalistas e parlamentares

Imagem relacionada a matéria - Id: 1576043262

O presidente da Fiesp, Paulo Skaf (ao centro), durante reunião com sindicalistas na sede da Força Sindical

Representantes do setor produtivo e sindicalistas de diferentes setores da indústria, entre eles metalúrgico, têxtil, alimentação, borracha e brinquedos, se reuniram nesta segunda-feira (12), na sede da Força Sindical, para acertar detalhes de uma grande mobilização, em São Paulo, contra a desindustrialização e pelo emprego. A manifestação, programada para o dia 4 de abril, deve reunir aproximadamente 100 mil pessoas, incluindo parlamentares, no estacionamento da Assembleia Legislativa, na capital paulista.

Os dirigentes sindicais e do setor produtivo ainda vão se reunir com o governador Geraldo Alckmin, o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e o presidente da Assembleia Legislativa, Barros Munhoz, para definir questões operacionais da mobilização.

Durante o encontro desta segunda, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, citou alguns dos problemas que contribuem para a perda de competitividade da indústria: câmbio alto, preço da energia e as importações que concorrem com os produtos nacionais de forma desigual. E reafirmou: “O Brasil está vivendo um processo de desindustrialização. O governo precisa tomar medidas urgentes para reverter essa situação. Precisamos de uma ruptura com o atual modelo de gestão econômica. Mais do mesmo não vai resolver”.


Frente parlamentar

Antes da manifestação em São Paulo, no dia 27 de março, representantes do setor produtivo e sindicalistas viajam para Brasília, onde será lançada a Frente Parlamentar em Defesa da Indústria Nacional, na Câmara dos Deputados.

A escolha desta data para o lançamento não é à toa. “Neste dia, deverá ser votado o projeto de resolução nº 72, do Senado, que acaba com a guerra dos portos”, lembrou Paulo Pereira da Silva, Paulinho, presidente da Força Sindical e deputado federal (PDT-SP).

Também presente à reunião de hoje, o deputado federal Newton Lima (PT-SP), informou que a Frente Parlamentar terá cerca de 300 deputados e que a maioria deverá participar do ato dia 4 de abril, em São Paulo. “Precisamos resolver a questão do câmbio com urgência, definir medidas mais imediatas para isso e, depois, as de médio e longo prazo”, afirmou.