imagem google

Secretário especial do Esporte do Ministério da Cidadania apresenta projetos do governo, em reunião do Code  

General Décio dos Santos Brasil apresentou a empresários e autoridades da área esportiva a nova estrutura do órgão, além dos planos do governo federal para programas como o Bolsa Atleta e o Prêmio Empresário Amigo do Esporte

Aline Porcina, Agência Fiesp Indusnet

“A minha grande missão é sensibilizar a sociedade para a importância que o esporte tem na vida nacional em todos os sentidos”. Foi com estas palavras que o general Décio dos Santos Brasil, atual secretário especial do Esporte do Ministério da Cidadania, iniciou sua participação na reunião ocorrida em 26/6 do Comitê da Cadeia Produtiva do Esporte (Code) da Fiesp.

Na presença de autoridades de diversas áreas e modalidades esportivas, o general apresentou a nova estrutura da pasta, que agora faz parte do Ministério da Cidadania ao lado dos antigos ministérios da Cultura e do Desenvolvimento Social, ressaltando que as mudanças não afetaram a gestão técnica: “As atividades meio ficaram por conta do Ministério. O que estamos procurando fazer é montar uma equipe técnica com pessoas envolvidas com o esporte”. Entre os nomes que fazem parte da secretaria estão o ex-jogador de futebol Washington “Coração Valente”, o campeão olímpico de vôlei Emanuel Rego e a ex-ginasta Luísa Parente.

Compondo a mesa de autoridades, ao lado do diretor titular do Code, Mario Eugênio Frugiuele, do secretário executivo da Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Juventude de São Paulo, Marco Aurélio Pegolo, do superintendente do Sesi-SP, Alexandre Plug, e de outros representantes do setor esportivo, o general Décio fez uma explanação sobre os programas desenvolvidos pelo Ministério da Cidadania por meio da Secretaria Especial de Esporte.

Entre eles, o Prêmio Empresário Amigo do Esporte , que reconhece empresas e pessoas físicas que contribuem para o sucesso da Lei de Incentivo ao Esporte, e o programa Bolsa Atleta, que é o maior programa do mundo de patrocínio individual a atletas, com uma destinação, desde 2005, que supera a marca de R$ 1,1 bilhão. Já foram concedidas mais de 63 mil bolsas para 26,5 mil atletas de todo o país.

Atualmente, 6.199 esportistas estão contemplados pelo programa nas categorias Olímpica/Paralímpica, Internacional, Nacional, Atleta de Base e Estudantil. “O esporte tem grande importância na vida da sociedade brasileira e, às vezes, não se dá o devido valor. A grande sorte é que há um envolvimento de toda a sociedade e um objetivo comum de levantar o esporte não só para desenvolver grandes atletas, mas também para a inclusão social e para a qualidade de vida”, afirmou o general.

Brasil também destacou a atuação da pasta na gestão de parte do legado olímpico, se referindo de forma específica ao Parque Olímpico da Barra, e defendeu que a autarquia Autoridade de Governança do Legado Olímpico (AGLO) continue atuante até o fim do ano, tempo em que os esforços devem se concentrar em buscar parceiros ou até mesmo em desestatizar a área de 151.047 m².

“Nossa missão no Ministério é fazer com que o governo entenda que isso não pode voltar para a prefeitura porque vai ficar abandonado e, com isso, o ônus vai cair no colo do governo federal”, afirmou, reconhecendo que manter a AGLO “é um trabalho bastante difícil, porque vai de encontro às diretrizes do governo de enxugamento da máquina, mas achamos que ela deve continuar para que as condições sejam criadas e possamos focar na desestatização do parque olímpico”.

Além de responder perguntas sobre a situação das obras pelo país e os desafios na distribuição dos recursos, o secretario falou sobre a Lei de Incentivo ao Esporte, que possibilita que empresas e pessoas físicas invistam parte do que pagariam de Imposto de Renda em projetos esportivos: “É um trabalho conjunto em que as pessoas podem ajudar. A participação é muito importante!”, enfatizou.  Desde 2007, 14.888 projetos foram protocolados e mais de R$2,3 bilhões foram captados. Neste ano, a equipe já recebeu 133 projetos, sendo 26 de participação, 60 de rendimento e 47 educacionais.

Sobre os planos para os próximos meses e anos, o secretário revelou que, com a Lei de Incentivo ao Esporte, pretende trabalhar para a ampliação do contraturno escolar utilizando as instalações que estão sendo construídas em municípios pelo país, além de recuperar os jogos escolares regionais e, futuramente, os jogos estudantis brasileiros.

Brasil finalizou sua fala reconhecendo as dificuldades pelas quais o país está passando, mas reforçando a importância de contar com a contribuição dos empresários brasileiros para projetos relacionados ao esporte: “É histórico as empresas ajudarem. A situação do país não está para amadores, está complicada, corremos sérios riscos.  Mas contamos com a ajuda de todos, sem tirar a responsabilidade da política de esporte que é do Ministério da Cidadania e da Secretaria”, concluiu.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1576426405

General Décio dos Santos Brasil, atual secretário especial do Esporte do Ministério da Cidadania, enfatiza a necessidade de sensibilizar a sociedade para a importância que o esporte tem na vida nacional. Foto: Everton Amaro/Fiesp