imagem google

Secretário da Saúde do Estado de São Paulo apresenta resultados, desafios e metas da sua gestão

Saúde de SP representa 43% do SUS. São 60 mil leitos, 2,4 milhões de internações e 808 mil cirurgias por ano

Mariana Soares, Agência Indusnet Fiesp

Na última quarta-feira (15/5), a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) recebeu o secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, que apresentou a estrutura da pasta, os avanços nos 100 dias de gestão e os desafios do governo para oferecer um modelo de atendimento à Saúde ainda mais eficiente e com ferramentas de inovação tecnológica.
O presidente da Fiesp e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), Paulo Skaf, recebeu o secretário Germann e agradeceu pela sua presença na entidade.
De acordo com Germann, nesses 100 dias à frente do pasta, período que considera ‘emblemático’, o trabalho vem sendo o de mapeamento dos entraves e de elaboração de estratégias cruciais para pôr em prática mudanças e ações estruturantes que já começaram a gerar resultados importantes no que diz respeito ao atendimento na área da saúde.
“Somos responsáveis por 43% do Sistema Único de Saúde (SUS). Somente no Estado de São Paulo, há 60 mil leitos, são 2,4 milhões de internações e 808 mil cirurgias por ano. Um universo gigante que precisa ter como foco o paciente”, ressalta. Sob responsabilidade da secretaria, a administração de 102 hospitais e 60 ambulatórios com orçamento de R$ 23 bilhões para este ano. Germann chamou atenção para um dos desafios que é a uniformidade de qualidade de atendimento em todas as unidades de saúde de todas as cidades do Estado.

CORUJÃO DA SAÚDE – O programa prevê o atendimento em horários alternativos, por meio da ampliação da oferta dos serviços de sua rede própria – hospitais e Ambulatórios Médicos de Especialidades (AMEs) – e também em parceria com hospitais privados. Quando deu início à primeira fase da iniciativa, existiam 500 mil pessoas na fila de espera por atendimento médico.
O secretário apresentou dados sobre a redução do número de pacientes que esperavam por consultas com oncologistas para identificação da doença ou tratamento. “Em dezembro de 2018, quando começamos a gestão, existiam 2.049 pessoas aguardando atendimento. Na última contagem, neste mês de maio, 954 pacientes esperavam para passar com um oncologista”, informa.
Germann reforçou que a saúde não tem fronteiras e que, se depender do Estado de São Paulo, a gestão será sempre parceira do Ministério da Saúde.

INSTITUTO BUTANTAN – Até 2022 sete vacinas serão desenvolvidas pelo Instituto Butantan, incluindo a da dengue. A imunização será fornecida para todo o território brasileiro e para os demais países do mundo.
O diretor titular do Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia (ComSaude) da Fiesp, Ruy Baumer, reforçou que o objetivo do grupo é apoiar as entidades médicas de São Paulo e beneficiar a sociedade. “Ficaremos sempre atentos ao lançamento de projetos e programas de incentivo à promoção da saúde e ao desenvolvimento do setor, que é uma prioridade do Estado e do país”, completa.

José Henrique Germann é médico, doutor em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), participou do Programa de Gestão Avançada em Administração e Negócios (PGA), pela Fundação Dom Cabral e INSEAD, em Fontainebleau, na França. É supervisor do Programa de Residência Médica em Administração Hospitalar e Saúde da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein desde 2015 e foi secretário-adjunto da secretaria da Saúde do Município de São Paulo, em 1993.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1561487485

Fiesp recebe o secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, que debateu desafios do setor com integrantes do ComSaúde. Foto: Everton Amaro/Fiesp