imagem google

Plenária do Comcouro mostra campanha em defesa do couro da CICB e ações do Senai em inovação e tecnologia

Reunião também tem apresentação do Comitê da Cadeia Produtiva do Desporto sobre oportunidades para a indústria nos Jogos Olímpicos

Graciliano Toni, Agência Indusnet Fiesp

A reunião plenária do Comitê da Cadeia Produtiva de Couro, Calçados e Artefatos (Comcouro) da Fiesp realizada nesta terça-feira (15/9) e conduzida pelo seu coordenador, Samir Nakad, teve a participação de Lucia Vivacqua, agente de inovação do Senai-SP. Ela explicou o trabalho da entidade em inovação e transferência de tecnologia. O destaque de sua apresentação foi a explicação sobre o Edital Senai de Inovação, que em sua edição 2015 tem R$ 20 milhões em recursos para fomento de projetos de inovação no Brasil todo. O Senai-SP incentiva as indústrias paulistas a apresentar projetos.

Dividido em três categorias (inovação tecnológica; startups inovadoras; soluções em qualidade de vida e segurança e saúde do trabalhador), o edital fornece até R$ 400 mil por projeto (na forma de utilização da rede Senai). A contrapartida da empresa vai de 5% (no caso de startups) a 100% (estabelecimentos de grande porte).

Segundo Lucia, não houve ainda no edital projetos do setor de couro e calçados. Usou como exemplo hipotético de projeto que poderia ser escolhido um novo tipo de pesponto para calçados de couro.

O Senai oferece uma série de serviços para o setor de couro, como diversos tipos de ensaios em laboratório, criação de desenhos de calçados, confecção de protótipos, desenho digital 3D e impressão 3D de componentes de calçados e artefatos.


Imagem relacionada a matéria - Id: 1569013972

Plenária do Comcouro, com participação de convidados do Senai-SP, Code e CICB. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp

Usamos Couro

Também convidado para a plenária do Comcouro, Ricardo Michaelsen, coordenador do Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB), explicou ações recentes para valorização do couro. A proliferação de termos que levam o consumidor a engano, apresentando material sintético com nomes que levam a supor a presença ou características do couro, levou o CICB a lançar a iniciativa Lei do Couro. Entre as medidas tomadas está o monitoramento diário de jornais, revistas, redes sociais e portais de notícias, para identificar e notificar o uso errôneo de termos.

Desde setembro de 2014 são realizadas as Blitze Lei do Couro, com visitas a lojas. Mais de 14 mil estabelecimentos já foram avaliados, e mais de 13 mil infrações pela identificação incorreta de material em roupas e móveis, por exemplo, foram lavradas desde então. Já houve efeitos, segundo Michaelsen, que fala em queda recentemente do número de infrações. A iniciativa chegou a São Paulo no dia 14 de agosto de 2015.

Em maio, a CICB lançou o site Usamos Couro, mote escolhido para a defesa do material. Clique aqui para conhecer a Lei do Couro e o site da iniciativa Usamos Couro.

Oportunidade olímpica

Mário Eugênio Frugiuele, coordenador do Comitê da Cadeia Produtiva do Desporto (Code), participou da reunião plenária do Comcouro para apresentar seu comitê e falar sobre oportunidades para a indústria nas Olímpíadas de 2016. Frugiuele informou sobre a realização em 24 de setembro de reunião na Fiesp para disseminar informações a respeito das aquisições que serão feitas para os Jogos. Disse que as compras estão abertas até dezembro, para entrega de produtos ao longo de seis meses. Deu como exemplos de produtos afins às indústrias do Comcouro bolsas e calçados.