imagem google

Paulo Skaf fala que aumento do IPTU na cidade de São Paulo é inconstitucional

No jornal Diário de S.Paulo, o presidente da Fiesp e do Ciesp explica os motivos que levaram as entidades das indústrias a entrar com ação na justiça para barrar o aumento

Agência Indusnet Fiesp

Uma medida injusta para o contribuinte e redutora da competitividade das empresas”. Assim, o presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), Paulo Skaf, classificou o aumento de IPTU proposto pelo prefeito da cidade de São Paulo.

Em artigo no jornal Diário de S.Paulo dessa segunda-feira (25/11), ele elencou alguns motivos que tornam o aumento improcedente como: a fórmula de cálculo (baseada no valor de imóveis em momento de grande especulação imobiliária); o aumento não ter levado em conta a “capacidade contributiva” do contribuinte; e, principalmente, a não aplicação deste imposto, nos últimos anos, em melhorias nas ruas, transporte público, segurança e saúde na cidade.

Segundo ele, até mesmo os proprietários que são isentos do tributo pagarão a conta, pois “o reajuste do IPTU será repassado para os bens de serviços por eles consumidos”.

Por considerar injusta a medida de aumento do IPTU, Paulo Skaf informou que as entidades da indústria, com o apoio dos sindicatos filiados à Fecomércio e a Associação Comercial, entraram com ação na Justiça para barrar o aumento do imposto.

Leia o artigo na íntegra abaixo ou acesse o site do jornal Diário de S.Paulo:

Imagem relacionada a matéria - Id: 1653340496