imagem google

Para empresário Lindenberg, segredo do sucesso é valorizar funcionários

Fundador da construtora e sua família participaram de reunião do CJE da Fiesp

Patrícia Ribeiro, Agência Indusnet Fiesp

“Procure obstinadamente aprender com pessoas que trabalham com você”, aconselhou o empresário Adolpho Lindenberg ao participar da reunião ordinária do Comitê de Jovens Empreendedores (CJE) da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) na noite de terça-feira (18/3).

Mais de 60 anos no mercado, o fundador da Construtora Lindenberg, deu algumas dicas de sucesso profissional aos participantes do encontro do CJE. A primeira, segundo ele, não tem nos manuais de administração. “Mantenham relacionamento próximo de todos os empregados e contratem pagando muito bem. Este é o segredo de todos vestirem a camisa”.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1569318452

Família Lindenberg participa de encontro do CJE. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


Lindenberg também alertou para a qualidade dos acabamentos de um projeto e a necessidade de inovar. “Nossos apartamentos sempre foram como roupas de alfaiates: feitos na medida certa e de forma personalizada. Adequamos as preferências de cada consumidor, ainda que tudo isso dê muito trabalho”.

Segundo Lindenberg, é fundamental entender e atender ao perfil de seu cliente. “Analise bem o comprador”.

De geração para geração
Também presente no encontro, Adolpho Lindenberg Filho seguiu os passos do pai e assumiu os negócios da família nos anos 1990.

“Temos muitos funcionários com mais de 20 anos de empresa, entre eles mestres de obras que conhecem profundamente o processo construtivo”, afirmou Filho sobre a relação com os funcionários da companhia.

Inovando
Diretor da construtora, Marcos Lindenberg, filho de Adolpho Filho, atua na área de novos negócios da empresa. Durante a reunião, ele apresentou o modelo retrofit de construção, um conceito de modernização de edificações antigas desenvolvido na Europa.

“É muito importante termos um olhar para este estilo. Afinal, é importante a preservação da memória e da história, mas com o renascimento do bem arquitetônico, muitas vezes sendo utilizado para outras finalidades diversas daquela que foi originalmente projetado e construído. E tudo isso, sem deixar de lado a inovação do ambiente”, concluiu.