imagem google

Olimpíada do Conhecimento mostra que ensino profissionalizante é para todo mundo, diz diretor regional do Senai-SP

Walter Vicioni Gonçalves afirma que presença de presidente Dilma Rousseff no evento valoriza a formação profissional

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

O professor Walter Vicioni Gonçalves, diretor regional do Senai-SP e superintendente do Sesi-SP, concedeu entrevista à Agência Indusnet Fiesp logo após a visita da presidente da República Dilma Rousseff ao Anhembi, local da 7ª Olimpíada do Conhecimento.

Leia os principais trechos:

Importância da visita da presidente Dilma à Olimpíada do Conhecimento

Imagem relacionada a matéria - Id: 1660750948

Walter Vicioni: 'Eu queria ver 54 alunos nossos no pódio. São Paulo está buscando isso'

“Num país em que o sistema produtivo, na sua origem, era um sistema escravocrata, e que os trabalhos manuais eram para escravos, acho muito significativo. Valoriza a formação profissional. Que a gente consiga definitivamente acabar com esse preconceito, que é o do país da cultura dos engenheiros, dos cursos superiores. Sinto que a presença dela [presidente Dilma] e a própria realização da Olimpíada, que nós fazemos aqui no Estado, é de fato a valorização das profissões, do trabalho bem feito. É fundamental para os indicadores e para a formação profissional brasileira. Que saia um pouco dessa coisa, da hierarquia da educação. O ensino profissionalizante é para todo mundo.”

Discurso da presidente Dilma sobre parceria com Sistema S

“No comentário dela, mais importante do que a questão da parceria, dos números, é uma oferta de formação profissional orientada para o mercado do trabalho. Porque se formar para o desemprego é desperdiçar dinheiro. Acho que ela tem um entendimento claro de que há que ter uma correlação positiva entre a necessidade do sistema produtivo brasileiro – e não só da indústria, mas do sistema financeiro, do comércio – e essa necessidade ser atendida por um processo de planejamento. Ou seja, uma formação profissional orientada em função dessa demanda. O Brasil, com essa dimensão, precisa de grandes números, mas se esses números estão sintonizados com essas necessidades, os recursos serão bem gastos. Vai ser uma relação muito positiva, com retorno extraordinário para o desenvolvimento econômico brasileiro.”

Expectativa de resultado

“São 54 ocupações [640 estudantes de cursos técnicos e profissionalizantes competem em 50 ocupações industriais e quatro do setor de serviços]. Eu queria ver 54 alunos nossos no pódio. São Paulo está buscando isso. Sempre tivemos bom desempenho, mas, com a motivação de nossos alunos, a expectativa é que a gente amplie nossas medalhas de ouro e nossa participação. O que defini com nosso pessoal técnico é o seguinte: que a equipe brasileira em Leipzig [na Alemanha, sede da edição 2013 da World Skills, maior torneio mundial de educação profissional], seja formada por ‘senaianos’ de Sâo Paulo”.

Paulo Skaf

“O presidente Paulo Skaf tem sido uma pessoa extraordinária. Eu sempre digo que ele acaba recriando o orgulho das pessoas que fazem o Senai e que fazem o Sesi. Ele tem uma sensibilidade extraordinária para a educação e a formação profissional.”

Entusiasmo dos participantes

“É o que nos anima, o combustível do dia a dia. É pena que não possamos ter todos eles aqui. Eu me sinto muito bem. Gosto de ver essa alegria.”