imagem google

Oferta de água também marca desigualdades sociais no cenário das grandes cidades

Desafio é atender população que se concentra cada vez mais em áreas urbanas

Empresários, especialistas e autoridades de meio ambiente discutiram na Fiesp, na quinta-feira (22), os desafios do setor público e privado para atender às exigências da Portaria nº 2914/11 e que estabelece novos padrões de potabilidade da água, em seminário que marcou o Dia Mundial da Água.

Para Eldis Camargo, assessora do Procurador-Geral da Agência Nacional de Águas (ANA), “a Constituição assegura direito a um meio ambiente ecologicamente equilibrado. E as Nações Unidas entendem o direito à água potável e ao saneamento como um direito fundamental”.

A docente Helena Ribeiro, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), lembrou que 33 municípios da federação não têm abastecimento de água. “As cidades brasileiras são marcadas por enormes desigualdades nos padrões de qualidade de vida, inclusão social e cidadania”, afirmou, sinalizando que é preciso atenção com as áreas sem saneamento e chuvas escassas.

O secretário-adjunto Rogério Menezes, da pasta de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado, salientou que a macrometrópole agrega 180 municípios, 75% da população e 77% do PIB estadual. “É um desafio em termos de abastecimento urbano, industrial e para a irrigação”, analisou.

Segundo Menezes, há uma forte demanda provocada, inclusive, por um cenário de crescimento econômico acima das expectativas. “Nas últimas décadas, 56% da população encontravam-se na área rural (1940) e, no início de 1990, a proporção alcançou 96% em área urbana”, comparou para dimensionar a perspectiva do processo de abastecimento.

Nos painéis finais do seminário, foi sinalizada a criação de comitê permanente para gestão integrada da qualidade de água para consumo humano, que envolverá Secretarias do Meio Ambiente, Saúde e Saneamento e Recursos Hídricos. Esta ação é avaliada como fundamental para resolver questões desta magnitude e, ao mesmo tempo, preservar áreas de mananciais, vitais o abastecimento de São Paulo.