imagem google

‘O que Dilma fez está correto’, diz Paulo Skaf no Jornal da Gazeta ao comentar MP 579

Presidente da Fiesp do Ciesp afirma que, com medidas adotadas este ano, há esperanças de crescimento da indústria e do país no ano de 2013

Imagem relacionada a matéria - Id: 1571410067

Paulo Skaf e Maria Lydia na entrevista do dia no Jornal da Gazeta.

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Convidado desta terça-feira (11/12) no Jornal da Gazeta, o presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), Paulo Skaf, disse à jornalista Maria Lydia Flandoli que a presidente Dilma Rousseff acertou ao propor a Medida Provisória 579 (MP 579/12), que abre a possibilidade de antecipação das renovações de concessões no setor elétrico mediante desconto no preço da conta de luz.

“O que o presidente Dilma fez está correto. Aqueles que quiserem esperar o vencimento em 2015, esperem e vai ter leilão e o preço vai despencar; e aqueles que quiserem antecipar o desconto, antecipem para beneficiar as pessoas a partir de 2013”, disse Skaf.

“O que estava injusto era a cobrança indevida da amortização de investimentos que já tinham sido cobrados anteriormente. O que ela [presidente Dilma Rousseff] fez foi correto, em atender o interesse das pessoas, das residências, das indústrias, dos hospitais e atender a uma reivindicação que nós ficamos  lutando há dois anos para acontecer o que aconteceu”, completou o presidente da Fiesp e do Ciesp.

Skaf falou ainda das expectativas para o ano de 2013 depois de medidas como desonerações de impostos sobre folha de pagamento, redução da taxa de juros e do preço de energia a partir de janeiro.

“Com essa série de medidas e tantas outras que vão começar a surtir efeito, realmente. a partir do próximo ano. Existe uma esperança e há expectativas da indústria, que este ano teve crescimento de -3%, de poder crescer de 2% a 3% positivo. Não é o crescimento que a gente sonha, mas é muito melhor”, comentou, observando que, entre outras medidas, é preciso acelerar o investimento na infraestrutura para baratear a logística e promover uma cruzada para reduzir o custo do gás.