imagem google

O Brasil investe pouco e mal em infraestrutura, diz especialista

Especialistas participam de debate sobre os gargalos da cadeia de suprimentos no pós-pandemia

Alex de Souza, Agência Indusnet Fiesp

Ponto de estrangulamento, estreitamento ou restrição. Esses são possíveis usos da palavra “gargalo”. Na produção, pode-se definir um gargalo como um descompasso entre oferta e demanda. Na reunião do Conselho Superior da Micro, Pequena e Média Indústria (Compi) da Fiesp, realizada na quarta-feira (8/12), o vice-presidente da Fiesp e presidente do Compi, Milton Antônio Bogus, lembrou que quando “há escassez de insumos e alta demanda, existe forte impacto sobre o custo”.

Os gargalos se apresentam em todos os segmentos produtivos. O mundo tinha algumas questões bem encaminhadas até 2020, mas com a pandemia o cenário todo mudou de forma drástica. “Houve o fechamento de muitas fábricas, o que afetou muito as cadeias de suprimento. Faltaram insumos e embalagens em praticamente em quase todas as cadeias, levando ao encarecimento em todos os setores da economia”, pontuou Roberto Ramos de Morais, professor do Núcleo de Estudos em Cadeias de Suprimentos e Valor da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Um dos momentos mais delicados apontados pelo pesquisador se deu no quarto trimestre de 2020, quando houve pequeno aquecimento da demanda diante de uma indústria que não estava devidamente preparada para essa retomada. “Havia ainda muitas incertezas sobre o futuro, e por algum período houve esse atraso para conseguir, principalmente, embalagens para atender as empresas”, exemplificou.

Seu companheiro de Núcleo, Roberto Gardesani, ressaltou que não foram apenas problemas de ordem sanitária que levaram aos gargalos, e apontou possíveis soluções. “Somado a isso também tivemos questões energéticas e problemas políticos no Brasil. E o descompasso entre oferta e demanda impactou as cadeias globais. Para eliminar ou reduzir um gargalo é necessário identificar cada etapa do processo de produção, desde a entrada da matéria-prima até a saída do produto, compreender a função de todos os maquinários e dos colaboradores, mapear as atividades e redefinir padrões”.

Para atender rapidamente a nova demanda do consumidor por compras on-line, com a retirada de produtos em loja, por exemplo, Gardesani afirmou ser necessário investir em soluções de e-commerce como visibilidade de estoques em tempo real e acelerar a inclusão de novos fornecedores no modelo de marketplace. “Mapear todas as etapas, da matéria-prima até a chegada do produto às mãos do consumidor, empregando adequadamente as soluções tecnológicas disponíveis”.

Morais observou que, em meio ao crescimento do e-commerce, muitas empresas foram pegas desprevenidas “devido ao pequeno grau de automação e digitalização, ainda que já estejamos nos dias da Quarta Revolução Industrial, com a Internet das Coisas, a Inteligência Artificial, a Blockchain, recursos tecnológicos inúmeros que podem ajudar o empresário na tomada de decisões”, lamentou o palestrante.

A falta de contêineres foi outro gargalo apontado por Morais, tendo elevado o custo do transporte, sobretudo o marítimo, em até quatro vezes quando comparado ao período anterior à pandemia. “Sem contar que o isolamento social mudou algumas demandas, como a de itens ligados a cuidados profiláticos como álcool em gel, sabonete, máscaras, acompanhados da redução de demanda de itens não prioritários para aquele momento, como vestuário e cosméticos”.

Para o diretor da Divisão de Logística e Transportes do Departamento de Infraestrutura (Deinfra) da Fiesp, Carlos Cesar Meireles Vieira Filho, o maior de todos os gargalos no Brasil é a falta de planejamento com base em políticas públicas de estado, não programas de governo. “O Brasil investe pouco e mal em infraestrutura. Estamos muito aquém dos países da América Latina, como também dos BRICs, que são os nossos concorrentes. Pior que isso: investimos muito menos do que fizemos no passado”, declarou Meireles.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1642564202

Bogus: quando há escassez de insumos e alta demanda, custo é impactado. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp