imagem google

Novo Centro Cultural Fiesp: um presente da indústria para São Paulo e para o Brasil

Inaugurado na manhã deste domingo, espaço na Avenida Paulista agora tem mais de 5 mil metros quadrados para exposições, teatro, cinema e área de convivência, sempre com programação gratuita

Isabela Barros, Agência Indusnet Fiesp

A arquiteta Moema Wertheimer não escondia o orgulho. E não tinha que esconder mesmo: estava ali, na frente dela, o resultado de um trabalho que já foi inaugurado fazendo toda a diferença, o novo Centro Cultural Fiesp. Aberto na manhã deste domingo (19/02), com uma apresentação da Bachiana Filarmônica do Sesi-SP, o espaço agora tem mais de 5 mil metros quadrados, incluindo galeria de fotos, mais espaços de exposições e um café com vista para um jardim assinado por Burle Marx. Isso além dos já conhecidos Teatro do Sesi-SP e Galeria de Arte do Sesi-SP.

[tentblogger-youtube HgdtRe35XFI]

“Estou emocionada de ver as pessoas se apropriando desse espaço de forma tão bonita”, disse Moema, responsável pelo projeto de revitalização do centro. “Todo mundo bem acomodado nas poltronas e sofás, ouvindo piano e vendo o jardim projetado por Burle Marx”.

O público foi convidado a entrar e ficar à vontade logo após a apresentação da Bachiana, realizada num palco montado na frente do prédio, lotando a Avenida Paulista. Não teve calor de 34 graus que impedisse a plateia de aplaudir e gritar “bravo” durante o concerto liderado pelo maestro João Carlos Martins, que ainda acompanhou seus músicos ao piano.

Entre muitos clássicos e sucessos populares, canção nenhuma emocionou mais do que Trem das Onze, de Adoniran Barbosa, “um hino de São Paulo e do novo Centro Cultural Fiesp”. “Esse espaço já é um ponto de encontro na Paulista, reúne todos os segmentos da sociedade, fico feliz de ver”, disse Martins.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1576444474

Martins, à esquerda, e Skaf: emoção de entregar à Paulista um novo ponto de encontro. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp


“Foi uma apresentação maravilhosa”, afirmou a supervisora de vendas Rejane Melo, de 45 anos, que veio de Ferraz de Vasconcelos, na Zona Leste da capital, especialmente para a inauguração do centro. “Quero frequentar ainda mais o prédio da Fiesp a partir de agora”.

O pianista Fábio Caramuru, de 60 anos, também aprovou o concerto. E disse estar ansioso para frequentar o café a ser aberto em março, com vista para o já citado jardim de Burle Marx. Até lá, todos os visitantes do centro podem circular pelo local, sentar nas mesas e poltronas e relaxar entre uma exposição e outra. “Esse espaço é um local único”, disse.

Um dos convidados da inauguração, o líbero Serginho, astro da seleção brasileira de vôlei nas Olimpíadas do Rio de Janeiro e atleta do Sesi-SP, também era só elogios. “Venho muito ao prédio da Fiesp e considero esse espaço um destaque na Paulista”, afirmou. “É incrível que a Fiesp sempre apoie a cultura”.

Um presente

Anfitrião da festa, o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, agradeceu a presença do público e destacou o fato de que o novo centro cultural ficará aberto todos os dias, sempre com programação gratuita. “Todo mundo que estiver passando pela Paulista poderá entrar aqui, conferir as nossas exposições, conhecer o nosso café”, disse. “O novo Centro Cultural Fiesp é um presente da indústria de São Paulo para a cidade e para o Brasil”.

A programação especial deste domingo segue até o final do dia, com show de Luciana Melo e Jairzinho no palco da Paulista às 16h15 e a apresentação da peça Tróilo e Créssida, às 19h, no Teatro do Sesi-SP.

Para saber mais sobre o novo centro, é só clicar aqui.

>> Ouça boletim sobre o novo Centro Cultural Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1576444474

Público lotou as instalações do novo Centro Cultural Fiesp na inauguração deste domingo. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp