imagem google

No Dia da Indústria, 25 de maio, 144 escolas do Sesi-SP realizam drive-thru da campanha Doe Alimentos

Na próxima terça-feira, das 8h às 17h, um verdadeiro mutirão de arrecadação de alimentos não perecíveis será realizado em 108 municípios em todo estado.

Núcleo de Comunicação do Sesi-SP

A campanha do Sesi-SP e da Fiesp, Contra Fome na Pandemia, Doe Alimentos, ganha uma nova ação no Dia da Indústria, 25 de maio. Neste dia, das 8h às 17h, todas as 144 escolas do Sesi-SP, distribuídas em 108 municípios do Estado, realizarão o Drive-Thru da Esperança, com o objetivo de combater a fome e levar alimentos para quem mais necessita.

No dia do Drive-Thru, as entregas poderão ser feitas de carro ou a pé, com a participação de toda comunidade. Nas redes sociais, o convite é para que os registros sejam marcados com #SesispDoeAlimentosDiadaIndústria. No site da campanha www.sesisp.org.br/doealimentos estão relacionados todos os endereços das escolas, para a entrega de alimentos não perecíveis, itens como arroz, feijão, açúcar, sal, óleo, macarrão.

Desde o início, 23 de março, já foram doadas mais de 500 toneladas de alimentos. Com objetivo de arrecadar o máximo possível, para distribuir para as 583 ONGs parceiras cadastradas. Não há previsão de encerramento da campanha.

“É a indústria se unindo pela vida. Desde o início da pandemia, estamos envolvidos nessa causa, uma das mais emergenciais no momento, que é levar o alimento à mesa de milhares de famílias mais vulneráveis”, enfatiza Paulo Skaf, presidente da Fiesp e do Sesi-SP.

O Dia da Indústria

O Dia da Indústria é celebrado no dia 25 de maio em todo o país, desde 1958. Instituído em memória à Roberto Simonsen, que faleceu em 25 de maio de 1948, em plena atividade em defesa da indústria.

Simonsen, um dos fundadores da Fiesp, foi um brilhante estrategista que começou vendendo café em Santos. A ele foi atribuído o título de Patrono da Indústria Nacional.

Na década de 1930, Simonsen desempenhou papel fundamental para a consolidação do parque industrial brasileiro. Enquanto os países ricos mergulhavam no grande conflito de 1938 a 1945, entre os Aliados e Países do Eixo, o Brasil começava a fabricar os produtos até então importados da Europa e da América. A inauguração da Siderúrgica de Volta Redonda foi o impulso que faltava para essa atividade que se tornava forte, mas ainda sob tutela do Estado.

Atualmente, o setor industrial responde por 20,4% do PIB nacional, por quase 70% exportações (69,2%), 1/3 dos tributos federais, 2/3 dos investimentos em pesquisa e que o setor privado é responsável por empregar, diretamente, quase 10 milhões de pessoas.

http://www.fiesp.com.br/instituto-roberto-simonsen-irs/sobre-roberto-simonsen/