imagem google

Nível de atividade dos construtores de SP recua em julho e registra 46,6 pontos

Resultado para o mês segue abaixo do nível esperado desde abril de 2013

Cristina Carvalho, Agência Indusnet Fiesp

O nível de atividade do setor de construção paulista recuou em julho ao registrar 46,6 pontos ante os 48,3 pontos de junho. Ao permanecer abaixo da linha dos 50,0 pontos, o indicador continua permanecendo muito aquém do nível esperado para o mês de referência, situação que persiste desde abril de 2013.

No entanto, houve avanço para o indicador número de empregados, que marcou 49,4 pontos ante os 45,4 pontos de junho. Apesar dessa alta, segue abaixo da linha dos 50 pontos desde novembro de 2017.

A ociosidade permaneceu elevada em junho, apesar de a utilização da capacidade operacional (UCO) ter subido 1,8 p.p. frente ao mês anterior, registrando 39,3%. Com este resultado, a utilização da capacidade está 8,9 p.p. abaixo da observada no mesmo período de 2018.

Perspectiva

Apesar de um resultado de baixa para o mês de julho, a expectativa do nível de atividade para os próximos seis meses avançou novamente, de 52,4 para 55,3 pontos, recuperando grande parte da queda dos meses anteriores a julho e se aproximando do pico registrado em fevereiro. O mesmo ocorreu com a expectativa de novos empreendimentos e serviços, que também passou de 52,4 para 55,3 pontos, indicando otimismo em relação ao surgimento de novos negócios.

As compras de insumos e matérias primas esperadas para os próximos meses subiram 5,5 pontos e registraram 55,3 pontos. Já o indicador de número de empregados, o único a apresentar retração, caiu de 52,4 para 50,9 pontos. O resultado, contudo, ainda indica uma expectativa de aumento do número de empregados nos próximos meses.

Por fim, o índice de intenção de investimento da Indústria da Construção paulista (compras de máquinas e equipamentos, pesquisa e desenvolvimento, inovação de produto ou processo) subiu de 34,6 para 38,5 pontos, registrando o maior nível desde dezembro de 2014. No mesmo período de 2018, o indicador marcava 28,3 pontos.

Os dados são da Sondagem da Construção do Estado de São Paulo, levantamento feito pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) com o apoio da Câmara Brasileira da Indústria da Construção e do Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Estado de São Paulo.

Clique aqui para ter acesso à íntegra da Sondagem da Construção de junho e à série histórica da pesquisa.