imagem google

Modelo econômico da China pressiona Brasil a identificar oportunidades de negócios

Para especialista em mercados asiáticos, Brasil precisa ser realista e perceber que o benefício com o boom de commodities acabou

Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp

A expansão econômica da China, que chegou a ostentar dois dígitos, deve apresentar um crescimento entre cinco e seis por cento pelos próximos anos, projetou o especialista em mercados asiáticos Arthur Kroeber, da consultoria Dragonomics. E, segundo ele, o novo modelo de crescimento chinês sinaliza dificuldades para o Brasil que, nos últimos anos, se escorou nas exportações de commodities ao país em meio a elevados preços internacionais.

“O problema é a composição desse crescimento, que vai ser muito diferente da composição do crescimento passado”, disse Kroeber em palestra organizada pelo Conselho Empresarial Brasil-China na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) sobre um novo modelo chinês que se baseia na expansão da classe média e no consumo interno.

Kroeber afirmou ainda que o Brasil precisa encontrar novas frentes de comércio bilateral com a China para compensar as perdas com o fim do boom dos preços de commodities.

“A principal mensagem para o Brasil deve ser realista. O enorme benefício que o país desfrutou principalmente na década passada não voltará”, disse o especialista.

“O ponto chave é identificar novas oportunidades na mudança da estrutura da demanda chinesa e descobrir de onde vocês podem tirar proveito”,  alertou o especialista a empresários e representantes do setor privado, no encontro na Fiesp.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1603501629

Arthur Kroeber, especialista em mercados asiáticos da Dragonimics. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


O diretor de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, Thomaz Zanotto, reiterou que a nova demanda chinesa por produtos manufaturados pode ser uma oportunidade para o Brasil.

“Entendemos que a China entra em uma nova fase de seu desenvolvimento e vai se tornar um grande importador não apenas de bens primários. Isso é oportunidade para a indústria brasileira”, afirmou Zanotto no início do encontro.

A reunião foi conduzida pelo presidente da Seção Brasileira do Conselho Empresarial Brasil-China, e embaixador Sergio Amaral.