imagem google

Mostra reúne cartazes históricos de Elifas Andreato no Sesi-SP Campinas Amoreiras

Exposição gratuita fica em cartaz na unidade até 25 de outubro, com pôsteres de eventos culturais marcantes concebidos por artista gráfico que trabalhou com nomes como Elis Regina, Paulo Autran e Augusto Boal

Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1590944370

Um dos cartazes em exibição. Imagem: Divulgação Sesi-SP

Conhecido pela criação de capas de discos, cenografias de espetáculos e cartazes de divulgação para artistas como Elis Regina, Vinicius de Moraes, Chico Buarque, Ruy Guerra, Gianfrancesco Guarnieri e Fernando Peixoto, o artista gráfico Elifas Andreato tem alguns de seus trabalhos apresentados na exposição gratuita “Cartazes Icônicos”, em exibição na unidade Amoreiras, em Campinas, do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP).

A mostra, em cartaz até 25 de outubro, reúne cartazes históricos de eventos culturais, espetáculos teatrais da resistência ao regime militar e campanhas de conscientização social. Após passar por Campinas, a exposição segue para Rio Claro, de 7 de novembro a 7 de dezembro, e tem roteiro previsto para mais 40 municípios paulistas nos próximos cinco anos.

Além da sensibilidade característica de seu traço, Andreato – autor de mais de 700 capas de LPs, CDs e DVDs – é um designer que consegue em seus trabalhos um alto nível de integração visual com as propostas artísticas representadas. Pela forma engajada de expressar sua arte, tornou-se referência em ilustrações para diferentes linguagens, com trabalhos marcantes voltados à música, à literatura, ao teatro e à imprensa.

Nesta seleção organizada especialmente para percorrer as unidades do Sesi-SP, destaque para o trabalho produzido em homenagem à cantora Elis Regina, em 1983, e o cartaz do espetáculo A Morte de um Caixeiro Viajante, de 1984, de Arthur Miller.

Outro ponto alto é o pôster da montagem Calabar, de 1980, de Chico Buarque e Ruy Guerra. “O texto foi proibido na primeira tentativa de montagem e, quando liberado, a canção Tatuagem, de Chico Buarque, serviu de inspiração para o desenho. Ao ver o cartaz, o diretor mudou o final da peça”, revela Andreato.

Essa e outras memórias poderão ser conhecidas pelos visitantes da exposição deste artista que criou consagradas capas de discos do país, retratou ícones da MPB, roteirizou, dirigiu e cenografou espetáculos, colecionando prêmios nacionais e internacionais, e fez ilustrações para jornais, revistas e livros. Por tudo isso, conheceu muita gente e tem uma boa dose de histórias para contar por meio de sua arte e suas lembranças.

>> Veja uma galeria com alguns dos cartazes que integram a exposição 

Mais informações sobre o artista

O paranaense Elifas Andreato, 68 anos, e deu início a sua carreira de artista gráfico e jornalista em 1967 como estagiário na Editora Abril. No ano seguinte, assumiu a diretoria de arte do núcleo de publicações femininas, além de ter participado da equipe de criação de inúmeras revistas e coleções, como Placar, Veja e História da Música Popular Brasileira.

Nos anos de 1970 fundou órgãos da imprensa alternativa como Opinião, Argumento e Movimento. Nessa época, começou a atuar como programador visual para espetáculos teatrais que fizeram grande sucesso.

Destacou-se também como criador de capas de discos para os nomes mais conhecidos da MPB. Foram cerca de 700 peças, muitas delas antológicas e premiadas. O trabalho de capista continuou durante a década de 1980, com destaque para os LPs Ópera do Malandro e Almanaque e Vida, de Chico Buarque; Arca de Noé 1 e 2 e Um Pouco de Ilusão, de Vinicius de Moraes e Toquinho; Aquarela e Casa de Brinquedo, de Toquinho; Zumbido, Cantando e Chorando, Eu Canto Samba e Bebadosamba, de Paulinho da Viola; entre outras obras de nomes como Clara Nunes, Maria Bethânia, Clementina de Jesus e Rolando Boldrin, só para citar alguns. Entre os Prêmios Sharp de Música e os concedidos pela Associação dos Produtores de Discos, recebeu 24 prêmios pelas capas que criou.

Seu trabalho direcionou-se para a área editorial nos anos de 1990. Andreato foi responsável pelas históricas coleções MPB Compositores e História do Samba, lançadas pela Editora Globo. Sua participação foi decisiva no Projeto Memória, da Fundação Banco do Brasil, para o qual criou grandes exposições itinerantes sobre figuras como Monteiro Lobato, Rui Barbosa e Juscelino Kubitschek.

Ao longo de sua trajetória, Andreato promoveu dezenas de mostras de sua obra nas principais cidades brasileiras. Atualmente é diretor editorial do Almanaque Brasil, publicação mensal que circula nos voos da companhia aérea TAM, e responsável pelo programa televisivo de mesmo nome, exibido na TV Brasil e na TV Cultura.

Em 2011, pelo conjunto de sua obra, recebeu o Prêmio Especial Vladimir Herzog, concedido a pessoas que se destacam na defesa de valores éticos e democráticos e na luta pelos direitos humanos.

Serviço

Exposição Cartazes Icônicos
Local: foyer do Teatro do Sesi Campinas Amoreiras (av. das Amoreiras, 450, Parque Itália)
Período expositivo: de 29 de setembro a 25 de outubro – de terça a sexta, das 9h às 17h; e aos sábados, das 14h às 19h (exceto feriados)
Classificação indicativa: livre
Informações: (19) 3772-4100
Entrada gratuita