imagem google

Milhares participam de ato a favor da produção e do emprego

Manifesto em SP teve o objetivo de alertar para o processo de desindustrialização no país

Agência Indusnet Fiesp

Milhares de representantes do setor produtivo e dos trabalhadores participaram nesta quarta-feira (04/04) do Grito de Alerta em favor da produção e do emprego, em frente à Assembleia Legislativa, em São Paulo.   O manifesto contou com 100% de apoio da Fiesp e do Ciesp, inclusive de suas 42 regionais, e teve como objetivo alertar para o processo de desindustrialização em curso no país – a participação da indústria de transformação no PIB caiu para 14,6% em 2011, ante os 27,2% registrados em 1985.

Na avaliação do presidente da Fiesp/Ciesp, Paulo Skaf, esta foi uma manifestação em defesa da competitividade do Brasil.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1563224793

"Esta é uma manifestação em defesa da competitividade do Brasil", disse Paulo Skaf, presidente da Fiesp/Ciesp

“A falta de competitividade no país não é um problema da indústria da porta para dentro, mas estrutural. Se a indústria mais moderna do Japão, Coreia ou de qualquer outro país vier para o Brasil, ela também vai sofrer com a falta de condições para ser mais competitiva”, destacou.

Na manifestação, líderes empresariais e sindicais disseram que faltaram ações efetivas para o câmbio, no pacote anunciado ontem (03/04) pela presidente Dilma Rousseff.

Skaf considerou as medidas boas, mas insuficientes. “É um pouco mais do mesmo, não resolve a causa, apenas trabalha os efeitos da doença.” O presidente da Fiesp/Ciesp cobrou que a “doença seja tratada” e questionou: “O que foi feito ontem pelo câmbio? Nada. Nós podemos ter um câmbio flutuante desde que seja acima de R$ 2 a R$ 2,20”.

O 1º vice-presidente do Ciesp, Rafael Cervone, também considerou o pacote econômico insuficiente para a competitividade do país. O dirigente defendeu uma política industrial de médio e longo prazo, que reduza os custos da produção, que melhore a infraestrutura e a logística e diminua a carga tributária sobre quem produz e gera emprego. “A indústria é um dos principais ativos do Brasil e não podemos abrir mão dela” afirmou o empresário.

A concentração começou por volta de 8h30, na frente do edifício-sede da Fiesp e do Ciesp, na Avenida Paulista. Em caravana, empresários do interior do Estado desembarcaram na capital nas primeiras horas da manhã, utilizando carros próprios, ônibus e vans, para participar da mobilização, que envolve representantes dos empresários e dos trabalhadores.

A caminhada prosseguiu pela Avenida Brigadeiro Luiz Antonio em direção à Assembleia Legislativa, na Avenida Pedro Álvares Cabral, nas imediações do Parque do Ibirapuera.

Manifestações pelo Brasil

O fraco desempenho da indústria brasileira e a redução de sua participação no Produto Interno Bruto (PIB) motivaram a realização de atos em diversas cidades brasileiras. O primeiro manifesto aconteceu em Porto Alegre (RS), no dia 26 de março; o segundo, em Florianópolis (SC), dia 28; e esta quarta (04/04) foi a vez de São Paulo. O último evento está programado para o dia 10 de maio, em Brasília (DF).