imagem google

Liderança feminina na indústria ganha debate na Fiesp durante o mês das mulheres

Entidade enalteceu a criação do Conselho Superior da Mulher e do programa Elas na Indústria; ambos têm o objetivo de fortalecer a atuação das mulheres na indústria paulista e nas suas entidades representativas

Mayara Moraes, Agência Indusnet Fiesp

A pauta de empoderamento feminino voltou a ocupar a agenda da Fiesp no mês das mulheres. A entidade, que havia realizado o evento Mulheres na Liderança em novembro do ano passado, desta vez promoveu um debate focado na presença da mulher e na liderança feminina na indústria, setor onde as mulheres representam pouco mais de 30% da força de trabalho.

Durante o evento, Adriana Carvalho, gerente de empoderamento econômico e coordenadora do projeto Ganha-Ganha da ONU Brasil, lembrou que equidade de gênero é um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável criados pela organização e Elise Racicot, consulesa e chefe do setor Comercial Canadense no Brasil, compartilhou a política feminista aplicada pelo governo canadense em pautas relacionadas ao comércio internacional e à resolução de conflitos.

Ana Fontes, fundadora da Rede Mulheres Empreendedoras, apresentou aos convidados os projetos de apoio ao empreendedorismo feminino oferecidos pela plataforma a chamou atenção para a necessidade de a sociedade trabalhar em prol da inclusão de mulheres trans, negras, cinquenta mais, refugiadas e egressas do sistema prisional. Ela também alertou para a importância da presença feminina no universo empreendedor e da conquista da autonomia financeira pelas brasileiras. Investir na mulher é investir nos seus filhos, na sua família, na sociedade e no seu entorno, defendeu a ativista.

Marilia Pera Murasaki compartilhou o case de sucesso da Emerson Automation Solutions, mantenedora de projetos voltados para a diversidade, a inclusão e a educação de meninas e mulheres nas áreas de tecnologia, inovação e engenharia, e Grácia Fragalá, diretora do Comitê de Responsabilidade Social da Fiesp e do Ciesp, anunciou as últimas iniciativas pensadas pela Fiesp para fomentar ações voltadas para o fortalecimento da atuação das mulheres na sociedade, na indústria paulista e nas suas entidades representativas, como o Conselho Superior da Mulher, recém-criado pelo presidente da entidade Paulo Skaf, e o programa Elas na Indústria.

Coube a Carlos Trombini, presidente do Sindicato das Indústrias de Refrigeração, Aquecimento e Tratamento de Ar (Sindratar), encerrar o debate. Trombini se comprometeu a incentivar discussões sobre diversidade e equidade de gênero dentro do setor, argumentou que atitudes sexistas “não têm mais vez” e laureou com o Prêmio Agora é que São Elas as mulheres que foram destaque no campo de refrigeração, aquecimento e tratamento de ar.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1606845094

Programa tem o objetivo de fortalecer a atuação das mulheres na indústria paulista e nas suas entidades representativas. Foto Everton Amaro/Fiesp