imagem google

Internet está se tornando uma TV a cabo de poucos canais, diz Luli Radfahrer, especialista em comunicação digital

Professor da USP falou sobre cultura, empreendedorismo digital e o futuro da tecnologia no último dia do Festemp

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

O grande desafio do empreendedor nos meios digitais é pensar a longo prazo, disse o consultor e escritor Luli Radfahrer na tarde desta quinta-feira (26/09) durante a última palestra do auditório do Festival de Empreendedorismo (Festemp), realização da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP).

“Boa parte das pessoas não consegue ver sequer o presente. Aqueles que dizem ver o futuro”, completou, com bom humor, Radfahrer, docente da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP), onde leciona sobre comunicação digital.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1611540151

Luli Radhafer. Foto: Beto Moussalli/Fiesp

Para Radfahrer, perdemos a noção do presente e de tempo. “Conteúdo digital é um língua estrangeira. Acabamos imitando o que é feito, sem entender o que está acontecendo.’’

Radfahrer deu dados atuais da internet. “Em um minuto, 411 novas contas são criada no Facebook, 435 contas de e-mail surgem e 370 mil chamadas são realizadas pelo Skype”.

Para ele, é preciso olhar o que leva esses dados a acontecer. “Há uma dificuldade em entender como empresas crescem rápido na internet. Há muito conteúdo e precisamos de filtros.”

Os 12 sites mais acessados na internet, destacou Radfahrer, ocupam 95% da rede. “Internet está se tornando uma televisão a cabo de poucos canais”, analisou.

O professor também ressaltou a importância de canais como Facebook e Google como ferramentas comunicacionais. “Sempre uma grande empresa tentará substituir uma grande rede.”

Radfahrer falou ainda sobre plataformas. “Quase 50% de todos os sistemas operacionais utilizados hoje pertencem ao Android, um código aberto. E esse domínio não será ameaçado.”

“Precisamos de novas formas de pensar. Tecnologia é apenas uma ferramenta”, encerrou.