imagem google

Interatividade e diversidade tecnológica marcam a 13ª edição do File

Festival Internacional reúne no Centro Cultural Fiesp - Ruth Cardoso trabalhos que colaboram com a propagação de novas linguagens eletrônicas e digitais. Entrada franca

Flávia Dias, Agência Indusnet Fiesp

Interatividade e muita diversão. Esta é a proposta da 13º edição do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica (FILE), aberta gratuitamente ao público a partir desta terça-feira (17/07), no Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso (Av. Paulista, 1313, capital), além do Museu da Imagem e do Som (MIS) e das estações do metrô Trianon-Masp e Consolação, também na Av. Paulista. E que tem tudo para superar o sucesso das edições precedentes, a julgar pela presença do público já na abertura oficial da exposição.

Pouco mais de duas horas depois, a organização do File registrou a passagem de mais de 300 pessoas pelo Centro Cultural Fiesp – Ruth Cardoso. Entre elas crianças, empresários e estudantes, como o universitário Diego Marchetti, que visitou a feira pela primeira vez e ficou impressionado: “Achei tudo muito interessante. A distribuição das atrações e a forma como feira foi montada facilita a interatividade”.

Diferente das tradicionais exposições de arte, em que o visitante não pode tocar nas peças, o File estimula a participação do público por meio de instalações interativas, games, animação, maquinemas e músicas eletrônicas, repleto de cores, luzes e sons que despertam as mais diversas sensações.

Entre as inúmeras atrações, destaca-se o “Túnel” – Rejane Catoni e Leonardo Crescenti (Brasil), uma escultura cinética e interativa, composta por 92 pórticos que se desalinham em função da posição da massa corporal. Outra obra que chama a atenção o público é o “Efecto Mariposa” – Patrício Gonzales Vivo (Argentina), que proporciona aos visitantes a simulação de um ecossistema na superfície de um cenário de cinzas vulcânicas em tempo real.

A obra interativa despertou o interesse da filha da fonoaudióloga, Elisa Sakata, para quem o File é uma excelente opção de lazer e entretenimento durante o período de férias escolares: “Os projetos aguçam a curiosidade das crianças, fazendo com que elas entendam os avanços na área de tecnologia e possam ter esta vivência”.

A artesã Maria Paula também se impressionou com as atrações deste ano: “Visitei a exposição do ano passado e confesso que esta edição superou as minhas expectativas. É maravilhosa! Meu filho de oito anos ficou sabendo da abertura e pediu para vir. Ele também quer interagir com as obras e vivenciar as novas tecnologias que possibilitam várias formas de arte”, contou.

A exposição do File ficará em cartaz no Centro Cultura Fiesp –Ruth Cardoso até o dia 19 de agosto.

Acompanhe a programação completa do Festival no site