imagem google

Inovação fará diferença neste novo momento que o Brasil vive, diz Skaf

Afirmação foi feita nesta sexta-feira (30), em São Paulo, para mais de 700 empresários durante convenção anual do Ciesp

Lucas Alves, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1585471226

Paulo Skaf, presidente da Fiesp, sugeriu a elaboração de propostas para solucionar os principais problemas enfrentados pelos empresários. Foto: Vitor Salgado

O presidente da Federação e do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp e Ciesp), Paulo Skaf, reconheceu, no discurso de abertura da Convenção Ciesp 2010, que os investimentos brasileiros em inovação são “acanhados” quando comparados ao volume aplicado pelos principais competidores mundiais. O evento, realizado nesta sexta-feira (30) na sede das entidades, discutiu a inovação como fator de competitividade.

“Precisamos desobstruir as resistências e simplificar as coisas para haver mais estímulos à inovação e tecnologia”, declarou Skaf, que sugeriu a elaboração de propostas para solucionar os principais problemas enfrentados pelos empresários.

“Devemos sair daqui hoje com uma agenda de ações concretas, que o Ciesp pode encabeçar para acelerar os investimentos públicos e privados em pesquisa e desenvolvimento [P&D]”, acrescentou.

Mais de 700 empresários ligados ao Ciesp, de todas as regiões do estado, marcaram presença na 24ª Convenção Anual da entidade, para discutir os principais obstáculos à inovação. Os diretores-titulares das 43 diretorias participaram do evento com grupos de empresas de suas regiões.


Barreiras

O presidente da Fiesp/Ciesp voltou a criticar a política econômica do Banco Central, que, nesta semana, decidiu aumentar em 0,75 ponto percentual a taxa Selic, elevada para 9,5%.

“Começamos o ano com um horizonte positivo, em que se acena um crescimento de mais de 6% na economia brasileira e geração de dois milhões de empregos formais. Porém, essa elevação na taxa básica acarretou acréscimo de quase R$ 8 bilhões na dívida pública”, criticou.

Skaf disse que o Banco Central está habituado a tratar a economia com muita frieza, apenas sob o prisma do controle da inflação, e que a justificativa para aumentar os juros – de que a produção pode não ser capaz de atender ao superaquecimento da demanda – é infundada. “Em nossa visão, não há esta ameaça”, reiterou.

O dirigente empresarial lembrou que no ano passado a indústria ampliou em 10% sua capacidade produtiva e que neste ano vai aumentar 15%. “O que puxa tudo é a demanda”, afirmou Skaf ao defender o aumento de produção que, consequentemente, gera mais renda, empregos e tributos. “Acreditamos numa retomada consistente da economia, mas defendemos urgência nas reformas estruturais, como a tributária”, explicou.


Presidenciáveis

Paulo Skaf adiantou que pedirá aos pré-candidatos à Presidência da República que se comprometam em promover reformas já no primeiro ano de governo.

O presidente da Fiesp/Ciesp defendeu maior participação dos empresários na vida política do País. “Reclamamos da falta de ética e de seriedade, da ineficiência da gestão pública, mas não podemos aceitar. Repetindo sempre as mesmas pessoas, as mesmas ideias, não encontraremos as soluções para os problemas de sempre” ponderou.

Para ver as fotos da Convenção, clique aqui.