imagem google

Indústrias estão investindo mais em tratamento próprio e reúso da água

Informação foi dada nesta 3ª feira (18) pelo especialista Ivanildo Hespanhol, durante reunião do Conselho Superior de Meio Ambiente da Fiesp

Lucas Alves, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1571867522

O presidente do Cosema, Walter Lazarini

O reconhecimento pelo mundo corporativo de que a gestão ambiental é fundamental para promover a sustentabilidade já é realidade. Isso é o que defende o presidente e fundador do Centro Internacional de Referência em Reuso de Água (Cirra), Ivanildo Hespanhol.

Durante a palestra que ministrou nesta terça-feira (18), na Fiesp, ele disse que “antigamente a indústria via a gestão ambiental como uma espinha na garganta, inclusive por questões fiscais”.

Em seus levantamentos, o tratamento e reúso de água na própria indústria é o que mais está crescendo. As outras modalidades de gestão ambiental na indústria se dão por meio de rede e mananciais naturais e pelo consumo de água de reúso das companhias distribuidoras.

“Há um grande potencial para redução de custos internos e aqueles associados à cobrança pelo uso da água”, afirmou Hespanhol.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1571867522

O professor e presidente do Cirra, Ivanildo Hespanhol

Já o vice-presidente do Conselho, Celso Monteiro de Carvalho, ponderou que não é tão difícil motivar a indústria a fazer o reúso da água, já que a cobrança pelo consumo vai mexer diretamente no bolso dos industriais. O presidente do Cosema, Walter Lazarini, enfatizou que a gestão ambiental é um componente importante no custo das indústrias e que o principal desafio é estimular as indústrias a promoverem o reúso da água.

Enchentes na região serrana do RJ

Provocados pelo diretor do Departamento de Meio Ambiente (DMA) da Fiesp, Paulo Dallari, os membros do Cosema também debateram sobre as enchentes que atingiram gravemente cidades da região serrana do estado do Rio de Janeiro. “Antes de mais nada, não se pode deixar ocupar áreas irregulares”, salientou Dallari.

O conselheiro Mauricio Prado Alves propôs a criação de um plano de ação mútua do setor empresarial, a ser desenvolvido pela entidade. O presidente do Cosema, Walter Lazarini, disse que levará a ideia para ser discutida com a presidência da Fiesp.