imagem google

Identidade digital poderia desbloquear entre 8% e 13% do PIB em 2030

Panorama do governo digital, no Brasil, é apresentado em videoconferência realizada pelo Comitê de Desburocratização da Fiesp

Tássia Almeida, Agência Indusnet Fiesp

Para apresentar ao público as iniciativas digitais do governo federal, com o intuito de desburocratizar os processos de rotina enfrentados pelos cidadãos e pelos negócios, o Comitê de Desburocratização da Fiesp realizou, na tarde da última quarta-feira (19/8), videoconferência com o secretário de Governo Digital da Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro. A live foi conduzida por Manoel Canosa Miguez, diretor titular adjunto do Comitê de Desburocratização; Abdo Antonio Hadade, diretor titular do Comitê e Valdir Moyses Simão, membro do Comitê.

A estratégia de Governo Digital traçada até 2022 é focar nas políticas públicas e serviços de melhor qualidade, mais simples e acessíveis, a um custo menor para o cidadão. Com o apoio da tecnologia, a ideia é desenvolver um “governo do futuro” inteligente, integrado e mais transparente. Os canais digitais do governo disponibilizam mais de 800 serviços públicos desde o início de 2019, o que representa economia anual de cerca de 2 bilhões de reais para a sociedade e o governo, e de 150 milhões de horas desperdiçadas pelos brasileiros em deslocamento, filas e burocracia.

Durante o evento, o secretário analisou o cenário atual e a posição do Brasil no mundo, comentou sobre as metas já alcançadas e as iniciativas que prometem transformar e acelerar a inserção do país no universo digital. Entre as entregas previstas até 2022 estão: a transformação de 100% dos serviços públicos federais, disponibilização da identificação digital ao cidadão, unificação de todos os portais federais no Gov.br, agilizar o registro de empresas no país, entre outros.

Hoje, o Brasil tem a 4ª maior população conectada do mundo e 74% da sua população conectada, o que representa 134 milhões de pessoas. O cenário foi destaque em relatório de 2019 da McKinsey que concluiu que o Brasil tem o maior potencial de criação de valor com uma identidade digital, o que poderia desbloquear entre 8% e 13% do PIB em 2030.

Apesar dos ganhos e do caminho que o país está trilhando, Monteiro citou que ainda há espaço para avanços e muito a ser feito. O secretário lembrou, ainda, que muitos brasileiros passam horas preenchendo formulários com dados que o Poder Público já possui e citou os Projetos de Lei n. 7843/17 e 3443/19 que estão sendo mesclados e visam, nos estados e municípios, instituir regras e instrumentos para a eficiência pública com a prestação digital dos serviços públicos na Administração.

Para conferir a live, acesse este link.