imagem google

Garantir futuro das crianças deve ser ação do presente, afirma expositor em reunião da Fiesp

Prefeito de Jundiaí, Luiz Fernando Arantes Machado, foi um dos convidados para a reunião do Consep

Alex de Souza, Agência Indusnet Fiesp

Os debates em torno da educação básica e políticas públicas para a primeira infância foram o tema da reunião do Conselho Superior de Estudos da Política da Fiesp (Consep) realizada na quarta-feira (26/5), mediada pelo presidente do Conselho, Carlos Trombini. Os convidados foram a representante do movimento De Olho no Material Escolar, Letícia Jacintho, e o prefeito de Jundiaí, Luiz Fernando Arantes Machado.

O presidente do Consep abriu a reunião lembrando que os países que investiram na qualidade do ensino obtiveram resultados satisfatórios e figuram atualmente entre os primeiros colocados globais em termos econômicos. Ele afirmou que a indústria tem relevante papel para o desenvolvimento da nação e defendeu a ideia de que os empresários exerçam influência positiva na construção de políticas públicas que possam fomentar o crescimento da indústria e, como consequência, de toda a sociedade.

Em sua fala, Letícia explicou que o grupo é composto por pais e mães de alunos preocupados com conteúdo das apostilas escolares e que se dedicam a trazer a realidade dos setores produtivos para o material didático. “Existe grande distorção de imagem entre as atividades desempenhadas pelos setores produtivos, especialmente os relacionados ao agronegócio, e a descrição encontrada nos livros escolares”, alertou a representante do movimento.

Um dos objetivos da iniciativa é evitar o olhar enviesado, em favorecimento de uma história rica e multifacetada. “Não podemos deixar que apenas uma versão seja aquela que será contada a milhões de crianças e jovens brasileiros. Precisamos mostrar os bons exemplos e que existem, sim, problemas pontuais, até mesmo atividades criminosas em vários setores, mas que são exceções e não podem ser incluídas de modo descontextualizado e generalizante dos materiais didáticos”, disse Letícia Jacintho.

A grande crítica às publicações é a ausência do senso crítico. Para Letícia, se faz necessário revisar o material por meio da participação de mais interlocutores e com foco na promoção dos debates, a fim de enriquecer a experiência educativa. O movimento tem o apoio da frente parlamentar agropecuária e conta com diversos parceiros nos estados e municípios brasileiros.

Segundo Letícia, existem projetos para a criação de uma biblioteca virtual, em parceria com a Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq), da Universidade de São Paulo (USP), em Piracicaba, com conteúdo digital qualificado para orientar educadores sobre o agronegócio, e também para levar escolas para visitas orientadas a propriedades rurais.

Jundiaí – Por sua vez, o prefeito elencou as ações que o poder municipal tem realizado e apresentou alguns indicadores de Jundiaí, que tem o quarto melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e o sétimo PIB do estado, exemplificando o cuidado com as crianças, com a queda da taxa de mortalidade infantil, e a melhora das notas do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). “Temos obtido melhores resultados, ano após ano, o que não é mérito apenas desta administração, mas também daqueles que me antecederam”, reconheceu.

Como em todos os setores, que sofreram impacto com a pandemia, é bem provável que na educação haja impactos negativos, que se refletirão nos próximos resultados a serem apurados. “A pandemia foi assustadora para nossas crianças. E assim como nesse o setor do comércio, serviços e a indústria sentiram o baque, não deverá ser diferente com a educação”, afirmou o prefeito.

Ao tratar das ações da administração pública para a educação, Luiz Fernando reforçou a importância de trabalhar com seriedade em políticas públicas voltadas à Primeira Infância, momento em que se desenvolve 80% da formação cognitiva motora e sensorial de um ser humano. “A criança não é o futuro, mas o presente do país, e se ficar à mercê do tempo para que se consolide o futuro, perderemos uma geração inteira”, declarou o gestor.

Algumas ações esmiuçadas por ele durante o encontro foram o comitê das crianças, órgão composto por 24 crianças, com mandato de um ano, que tem por objetivo representar as crianças de todas as idades, e a inauguração de um novo espaço, chamado Mundo das Crianças, área com 170 mil metros quadrados planejados para esse público. “Haverá uma conexão entre a unidade do Sesi (no Horto) e o Mundo das Crianças. Aliás, a entidade tem sido um grande parceiro da prefeitura em Jundiaí”, disse o prefeito.

Aliás, Luiz Fernando chamou a atenção para a necessidade de que as crianças tenham espaços a céu aberto para brincar e se mover. “O imperador de Roma tinha menos informações sobre o mundo que qualquer de nossos pequenos cidadãos. Precisamos dar a eles a capacidade de discernir a informação que recebem, porque o Google é capaz de responder tudo, mas isso limita o desenvolvimento neural de uma criança. Não podemos tirar das crianças a capacidade do desenvolvimento”, concluiu o prefeito.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1624074540

Em Jundiaí, segundo o prefeito, todas as escolas da rede municipal têm horta. Essa é uma das ações do poder público para cuidar melhor das crianças na Primeira Infância. Foto: Ayrton Vignol/Fiesp