imagem google

Fiesp traça cenário positivo para setor de construção

Mas para dar conta das grandes obras futuras, é preciso qualificar mão de obra que hoje registra pleno emprego com apenas 3% de desocupação

Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1656297138

Maria Luiza Salomé, diretora de relações institucionais do Deconcic da Fiesp

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), representando a cadeia produtiva, participou nesta segunda-feira (14), no Hotel Renaissance, da coletiva de apresentação da 19ª edição da Feicon Batimat. Considerada a maior feira do setor da construção na América Latina, será realizada de 15 a 19 de março, no Pavilhão do Anhembi.

Na coletiva, foram traçados o cenário e as perspectivas para o setor. Enquanto a expectativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro é de 5% para este ano, o da construção deverá chegar a 6,1%, com previsão de se elevar em 8,8% as vendas de material de construção, segundo Maria Luiza Salomé, diretora na área de relações institucionais do Departamento da Indústria da Construção (Deconcic).

A cadeia produtiva da construção representa 12% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Índice representativo, na avaliação de Salomé, pois o ano de 1999 registrou estagnação e agora há alta demanda. “É preciso disponibilizar recursos para as obras de habitação, infraestrutura, transporte e saneamento básico”, ela afirmou. E completou: “Há necessidade de se construir 23 milhões de moradias até 2022, e de investimentos da ordem de R$ 3 trilhões”.

Visibilidade mundial

Imagem relacionada a matéria - Id: 1656297138

Liliane Bortoluci, diretora da Feicon Batimat

O Brasil ganha maior visibilidade mundial em função das grandes obras que serão necessárias em função do país sediar a Copa (2014), as Olimpíadas (2016) e do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), avaliou Liliane Bortoluci, diretora da Feicon Batimat.

A demanda está mais do que aquecida: até 2016 deverão ser entregues aproximadamente 112 obras de infraestrutura de grande porte, de acordo com Marly Parra, vice-presidente da Reed Exhibitions Alcântara Machado e da SP Infraestrutura.

O setor de construção vive um bom momento, tendência de alta no consumo protagonizado pelas classes C e D, além dos efeitos positivos da prorrogação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), conforme os representantes do setor.

O resultado é que as vendas no varejo cresceram 10,6% (em 2010, na comparação com 2009), segundo números apresentados pela Associação dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco). Foram gerados R$ 49 bilhões. A expectativa é crescimento em torno de 8% este ano.

Competitividade e produtividade

Para a manutenção da competitividade em alta, será preciso superar um sério gargalo: a profissionalização da mão de obra. O déficit previsto para 2020 será de três milhões de trabalhadores. Mas em fevereiro deste ano o uso da capacidade instalada do setor bateu em 87%, ou seja, um sinal próximo do pleno emprego (dados da Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção – Abramat), com aumento de 55% nos empregos formais.

Outros desafios apontados:

  • Desoneração fiscal (especialmente PIS, Cofins, IPI, ICMS);
  • Conformidade técnica;
  • Desburocratização;
  • Uniformização da Substituição Tributária em âmbito nacional.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1656297138

Eduardo Zaidan, diretor de Economia do Sinduscon-SP

A produtividade cresceu 6,1%, em 2010, superando a retração de 2,2% registrada em 2009. Para melhorar esse índice e fazer frente à forte demanda, Eduardo Zaidan, do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo-Sinduscon-SP, sinalizou algumas sugestões.

Entre elas, a equiparação dos juros, da taxa de câmbio e da inflação a patamares mundiais, além de estimular novas economias.

Também integraram a coletiva outros representantes da cadeia produtiva: Siamfesp, Abrafati e Sincomavi.

Sobre a feira

Feicon Batimat é considerada a maior feira da construção na América Latina e o quarto maior evento do mundo. Nesta edição, será somada a experiência do Brasil e de 21 países em 85.000 metros quadrados do Anhembi. A expectativa é receber 150 mil visitantes entre 15 e 19 de março. Paralelamente, será realizada a SP Infra que tem como público-alvo grandes corporações, construtoras, redes hoteleiras, instituições financeiras e bancárias, além de concessionárias.

Serviço
19ª edição da Feicon/Batimat – 19º Salão Internacional da Construção
Data: 15 a 19 de março, de terça a sábado, das 10h às 19h
Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi. Av. Olavo Fontoura, 1209. São Paulo
Visitação: proibida a entrada de menores de 12 anos, mesmo que acompanhados.
O visitante que comparecer ao evento sem convite ou sem o pré-credenciamento feito deverá fazer sua inscrição no local. A entrada custará R$ 50.
Mais informações: (11) 3717-0737 ou feicon.inscricao@reedalcantara.com.br
Visite o site: http://www.feicon.com.br