imagem google

Fiesp sedia encontro internacional do Conselho Empresarial Brasil-Japão para desenvolvimento de oportunidades comerciais

Na abertura, Paulo Skaf relembra que a comunidade japonesa escreveu muitas páginas da história de São Paulo e do Brasil e que a Fiesp realizou mais de 100 eventos ligados ao Japão, nos últimos dez anos

Mariana Soares, Agência Indusnet Fiesp

Durante a abertura do Conselho Empresarial Brasil-Japão, que se realiza na Fiesp hoje e amanhã (29 e 30/7), o presidente da Fiesp/Ciesp, Paulo Skaf, valorizou a presença japonesa no país. Skaf relembrou que há 111 anos, no porto de Santos, chegavam os primeiros imigrantes japoneses, cerca de 800 pessoas, no Kasato Maru. Hoje, a comunidade de japoneses e seus descendentes somam quase 2 milhões de pessoas, no Brasil.

“A comunidade japonesa escreveu muitas páginas da história de São Paulo e do Brasil. Somos bastante gratos aos milhões de japoneses com corações brasileiros e descendentes brasileiros com corações japoneses”, afirma Paulo Skaf. “Graças ao trabalho de cada um deles, graças à confiança que o povo, o governo, as empresas japonesas tiveram desde a década de 50 foi possível criar e desenvolver essa parceria econômica”, complementa. Em sua avaliação, a experiência japonesa nas áreas da indústria, agricultura, tecnologia, meio ambiente e logística foi primordial para o amadurecimento da economia brasileira e não se poderia perder “uma oportunidade como esta para dizer um muito obrigado a vocês”, reforça.

A 22a Reunião Plenária Anual do Conselho Empresarial Brasil-Japão tem como principal finalidade propor uma agenda para alavancar o intercâmbio comercial entre os dois países. Durante o debate, representantes da indústria e dos governos dos dois países irão analisar os cenários econômicos das duas nações e benefícios de eventual assinatura de acordo de parceria econômica Japão-Mercosul.

O presidente da Fiesp relembrou que nos últimos dez anos a Fiesp realizou mais de 100 eventos ligados ao Japão, incluindo missões importantes como a liderada por ele, em 2008, quando mais de 120 empresários brasileiros estiveram em Tóquio com o objetivo de conhecer a economia local e as transformações ocorridas na região.

Ainda de acordo com Paulo Skaf, é preciso fazer deste encontro um divisor de águas. “A Fiesp apoia a parceria econômica Japão-Mercosul, fundamental para que ocorra uma facilitação nas trocas comerciais e o estreitamento das relações econômicas entre os dois países”, completa.

Para o embaixador do Japão no Brasil, Akira Yamada, ao longo de todos esses anos foi construído um profundo vínculo de confiança comercial entre os dois países. “É aqui que temos a maior comunidade japonesa do mundo. Atualmente, são mais de 700 empresas japonesas atuando no Brasil e esse número deve crescer ainda mais. Estamos confiantes de que as relações bilaterais serão mais do que reforçadas”, afirma.

O evento é realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e pela Federação Empresarial do Japão (Keidanren).

Perspectivas para a relação Brasil-Japão

Nos últimos anos, a transformação tecnológica vem se intensificando de forma vertiginosa. De acordo com Thomaz Zanotto, diretor do Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior (Derex) da Fiesp, que esteve presente à primeira sessão da 22a Reunião Plenária Anual do Conselho Empresarial Brasil-Japão, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo desempenha importante papel para que o Brasil avance na formalização dos acordos de livre comércio entre nações.

“Desde 2012, a Fiesp publica agendas de integração externa nas quais reforça a necessidade de maior integração com áreas mais desenvolvidas do mundo, como o Japão, União Europeia e América do Norte, uma vez que o País precisa constantemente de acesso às tecnologias aplicadas nessas nações”, analisa Zanotto.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1568984164

Presidente da Fiesp/Ciesp, Paulo Skaf, relembra a contribuição dos japoneses e seus descendentes para o desenvolvimento do Brasil. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp