imagem google

Fiesp recebe militares da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército

Presidente da instituição se reuniu com alunos do Curso de Política, Estratégia e Alta Administração do Exército e abordou temas ligados à indústria de defesa

Guilherme Abati, Agência Indusnet Fiesp

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, recebeu, na manhã desta quarta-feira (19/06), na sede da instituição, a visita de militares da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército (Eceme).

Aos militares, alunos do Curso de Política, Estratégia e Alta Administração do Exército (Cpeaex), Skaf falou sobre a importância das forças armadas para o Brasil e sobre o atual panorama do setor.  “Os militares têm respeito e admiração pelo país e o contrário também é verdadeiro”, afirmou.

Skaf recebe a Escola de Comando e Estado Maior do Exército na Fiesp. Foto: Junior Ruiz/Fiesp

Skaf recebe militares ligados à Escola de Comando e Estado- Maior do Exército na Fiesp. Foto: Junior Ruiz/Fiesp

Segundo o presidente da Fiesp, a cadeia produtiva da defesa precisa ser recuperada. “O Departamento da Indústria de Defesa (Comdefesa) tem a missão de recuperar a cadeia produtiva da defesa, que quase chegou a acabar anos atrás”, destacou. “A cadeia produtiva da defesa precisa produzir cada vez mais e gerar riqueza para o Brasil. Faço questão que tenhamos afinidade com a Força militar em dia, determinada com o progresso brasileiro”.

Skaf disse que a Fiesp é uma instituição que respeita o que as forças armadas representam para o país. “A questão da proteção de nossa riqueza é fundamental. E isso é assegurado com o trabalho de nossas forças armadas”, disse.

Presente no evento, André Rebelo, assessor para assuntos estratégicos da presidência da Fiesp, fez uma apresentação aos alunos e abordou temas ligados ao desenvolvimento econômico brasileiro e ao atual panorama da atividade industrial do país. “Indústria é o que mais faz o Produto Interno Bruto (PIB) crescer. O papel de destaque hoje é o da indústria de transformação”, explicou.

Rebelo citou as dificuldades enfrentas pelo setor para crescer. “Altas taxas de juros, acima do praticado em outros países, o câmbio, carga tributária e defasagem na infraestrutura são os principais empecilhos para a expansão da atividade industrial brasileira, inclusive no que se refere à defesa”, afirmou.

Skaf, Gen. Ex Esper, Gen Bda. Stoffel e Gen Ar Azevedo: respeito e admiração pelo país. Foto: Junior Ruiz/Fiesp

Da esquerda para a direita: Skaf, Gen. Ex Esper, Gen Bda. Stoffel e Gen Ar Azevedo: admiração pelo país e apoio à indústria de defesa. Foto: Junior Ruiz/Fiesp

Outro participante da reunião, Sérgio Vaquelli, diretor titular adjunto do Departamento da Indústria de Defesa (Comdefesa), falou sobre a indústria de defesa no Brasil. Para Vaquelli, o mercado de defesa cresce, mas ainda está aquém dos outros países e das necessidades do Brasil. “Porém, há novos programas de defesa sendo iniciados e o ambiente regulatório está em evolução. Investir em defesa é importante, o setor é indutor de crescimento”, afirmou.

Também participaram da reunião o General Antonio Gabriel Esper e o General Walter Stoffel, comandante da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.