imagem google

Fiesp fecha parceria com fundo finlandês e irá sediar o Fórum Sul-Americano de Economia Circular, em 2020

SITRA, fundo finlandês de Inovação, é uma agência atrelada ao Parlamento do país nórdico; uma das entidades mais importantes do mundo quando o assunto é Economia Circular

Mariana Soares, Agência Indusnet Fiesp

A economia circular defende a criação de processos saudáveis e circulares na cadeia produtiva e de consumo. Trata-se de uma proposta de mudança em todo o mercado, do design dos produtos até nossa relação com as matérias-primas e os resíduos. Contrapondo-se ao processo produtivo linear, o circular prioriza o lixo transformado em insumos. Para provar que é possível ter uma indústria com uma produção consciente e engajar a sociedade no conceito de sustentabilidade, a Fiesp está preparada para realizar a primeira edição do Fórum Sul-Americano de Economia Circular, que será realizada em dia 31 de março de 2020.

Na última quinta-feira (28/11), a Fiesp e o Senai-SP apresentaram as diretrizes do novo Fórum que será uma seção do evento mais importante sobre o tema, o World Circular Economy Forum. O encontro global já teve três edições e, no próximo ano, acontecerá no Canadá.

Eduardo San Martin, presidente do Conselho Superior de Meio Ambiente (Cosema) da Fiesp, chamou atenção para o necessário engajamento da sociedade brasileira a fim de cobrar mudanças nos princípios de produção utilizados massivamente, que são os da economia linear, representados pela seguinte pirâmide: obtenção da matéria-prima, produção e descarte. A economia circular elimina resíduos de produção, mantendo o ciclo de uso dos bens e serviços, regenerando sistemas produtivos.

“Precisamos desenvolver materiais seguros, compostáveis. Os bens e serviços de hoje serão os bens e serviços do futuro. O dono desse movimento é o cidadão, o ser humano que quer garantir o futuro dos filhos, assegurar uma vida melhor para eles”, pontuou San Martin.

O líder sênior de Economia Circular e Desenvolvimento de Negócios do SITRA, Jyri Arponen, assegurou que a agência finlandesa irá executar o Fórum Sul-Americano de Economia Circular em parceria com a Fiesp e o Senai-SP. “Economia Circular não é só uma questão de salvar o meio ambiente. A ideia de organizar o evento em São Paulo, na Fiesp, é excelente. Só assim vamos vencer o desafio que é o de estabelecer processos robustos de produção pensando em tudo desde o início”, observou o finlandês.

As palavras do especialista finlandês provam que o entendimento de sustentabilidade precisa vir antes da criação de produtos e serviços. A ideia é fazer referência ao funcionamento da natureza, uma coexistência da economia e da sociedade, aplicando-se o conhecimento crescente da inteligência dos sistemas naturais nos produtos, processos e na indústria.

A SITRA é uma agência finlandesa, que atua como um fundo, atrelado ao parlamento finlandês. A entidade é uma das mais importantes aceleradoras de negócios sustentáveis do mundo. É responsável por realizar o World Circular Economy Forum.

Já o diretor titular do Departamento de Desenvolvimento Sustentável (DDS) da Fiesp, Nelson Pereira dos Reis, fez importante alerta: “economia Circular é um excelente modelo de negócio. A atividade possibilita que se produza bens e serviços gastando menos e com maior vida útil”, afirmou.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1576499118

Jyri Arponen, do SITRA, assegurou que a agência finlandesa irá executar o Fórum Sul-Americano de Economia Circular em parceria com a Fiesp e o Senai-SP. Foto: Ayrton Vignola/Fiesp

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA – Durante o lançamento do Fórum Sul-Americano de Economia Circular, na última quinta-feira (28/11), na Fiesp, o Senai-SP lançou o curso de educação a distância de Economia Circular. Gratuito e online, o curso tem como objetivo apresentar o modelo de produção circular, identificando o sistema econômico vigente e compreendendo as formas de transição nas esferas comportamental, empresarial e político-institucional.

Com 20 horas e dividido em quatro módulos, o curso aborda temas como tecnologias habilitadoras como facilitadoras (Big data, Internet das coisas, IoT, Blockchain e Cloud Computing) e desafios e oportunidades circulares.

O diretor regional do Senai-SP, Ricardo Terra, contou que a equipe do Senai-SP esteve presente ao 3º Fórum Mundial de Economia Circular, na Finlândia. “Conversamos com o presidente Paulo Skaf [da Fiesp e do Senai-SP], que enxergou a necessidade de trazermos para a Fiesp a seção sul-americana do evento mundial. E nós, do Senai-SP, criamos o curso de educação a distância de Economia Circular, fundamentação necessária para as empresas e indústrias paulistas que desejem adequar seus processos”, explicou.

Para se inscrever gratuitamente no curso de educação a distância de Economia Circular, é só acessar o portal: online.sp.senai.br