imagem google

Fiesp e sindicatos anunciam seminário em prol da política industrial de inovação e emprego

Presidente da Federação da Indústrias do Estado de São Paulo e líderes sindicais anteciparam suas preocupações em entrevista coletiva

Edgar Marcel, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1603781320

Paulo Skaf, presidente da Fiesp

Durante o lançamento do seminário Brasil do diálogo, da produção e do emprego que se realizará nesta quinta-feira (26), Paulo Skaf, presidente da Fiesp, afirmou que o momento é de discutir com os novos governos, de forma permanente, o que é preciso ser feito para romper a barreira de nação em desenvolvimento.

“Esse encontro não se trata de uma ação pontual, e sim de um novo estilo de trabalho. Queremos um país próspero, com mais empregos, crescimento e justiça social. E nossas eventuais divergências [com as centrais sindicais] são muito pequenas comparadas com a agenda na qual temos convergências”, explicou Skaf em coletiva de imprensa concedida nesta segunda-feira (23).

Compuseram também a mesa Paulo Pereira da Silva (Força Sindical), Miguel Torres (Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes) e Sérgio Nobre, (Sindicato dos Metalúrgicos do ABC). Com este seminário, as entidades querem criar um fórum permanente tripartite sobre o tema, com a participação do governo, setor produtivo e trabalhadores.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1603781320

Paulo Pereira da Silva, presidente da Força Sindical

O presidente da Fiesp antecipou que entre os pontos alinhados está a defesa da redução dos altos juros, que geram mais de R$ 200 bilhões de despesa do governo federal. “Isso significa três vezes o orçamento da saúde e atrai capital especulativo para o Brasil, o que rouba nossa competitividade especialmente na indústria e provoca um déficit na balança comercial de manufaturados em torno de US$ 100 bilhões”, alertou Skaf.

Além disso, o líder empresarial é a favor da ampliação do prazo para recolhimento de impostos e da isenção do Imposto de Renda Pessoa Física sobre a participação dos lucros.

O seminário vai produzir um documento com propostas em conjunto com as centrais. O material será entregue à presidente Dilma Rousseff por intermédio do vice-presidente Michel Temer, que encerrará o evento no qual participarão trabalhadores, empresários, ministros e economistas, com objetivo de constituir grupo e discutir qual política econômica é a melhor para garantir crescimento, renda e emprego à população.

Emprego de qualidade

Imagem relacionada a matéria - Id: 1603781320

Sergio Nobre, presidente do Sind. dos Metalúrgicos do ABC

Representando uma região na qual o setor automobilístico prepondera, Sérgio Nobre, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, afirmou que o setor tem crescido, mas com muita importação de componentes. Ele explicou que cada vez mais os automóveis têm empregado componentes europeus altamente tecnológicos, e que os menos sofisticados vêm da China e Coreia.

“Nossos trabalhadores querem emprego de qualidade, de conteúdo, e para isso precisamos de um plano de nacionalização da produção de peças, com incentivo à inovação tecnológica”, taxou Nobre.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1603781320

Miguel Torres, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes

Neste sentido, Miguel Torres, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, defende uma melhor designação dos trabalhadores com a formação de mão de obra qualificada.

Paulo Pereira da Silva, presidente da Força Sindical, reforçou a ideia. Ele antecipou que quer discutir, no seminário, a qualificação profissional e a rotatividade. Silva apresentou dados de 2010 que mostram a contratação de 17 milhões de trabalhadores, mas que no mesmo período demitiu 15 milhões. “Além disso, queremos discutir a representação sindical no local de trabalho, e este evento vai permitir um debate mais profundo”, adiantou.