imagem google

Fiesp, AfroReggae e Senai-SP realizam formatura da primeira turma do programa de capacitação profissional para egressos do sistema prisional

Alunos que passaram pelo curso de panificação no Senai-SP já estão empregados em panificadoras da capital e Grande São Paulo; Fiesp firmou convênio com Sindipan

Dulce Moraes, Agência Indusnet Fiesp

Uma noite especial para dez alunos do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial de São Paulo (Senai-SP). Após quase um mês de curso intensivo de panificação na escola especializada no setor alimentício, no bairro da Barra Funda, eles tiveram a oportunidade de receber, na noite desta terça-feira (05/11), os seus diplomas de formação em cerimônia realizada na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Imagem relacionada a matéria - Id: 1579366246

Antero José Pereira, presidente do Sindipan, elogiou a qualificação dos alunos pelo Senai-SP. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp

Mais que um diploma, os alunos – todos egressos do sistema prisional – conquistaram a oportunidade de retorno ao mercado de trabalho formal, graças a uma iniciativa conjunta da Fiesp, do Senai-SP e do grupo cultural AfroReggae, com o apoio do Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria de São Paulo (Sindipan).

Para o presidente da Fiesp, Paulo Skaf, a formatura é muito significativa. “Essas pessoas erraram, pagaram pelos seus erros e têm, sim, que ter oportunidade na vida. E a oportunidade vem com formação, trabalho e emprego.”

Skaf disse ter ouvido depoimentos emocionantes dos alunos e está convencido de que o programa está no rumo certo. “Nosso esforço, através do Senai-SP, é a formação, e através da Fiesp, pelo convênio com o setor da panificação e outros que queremos firmar, é encontrar vagas nas indústrias. A oportunidade do trabalho e do emprego é o que faz com que esse ciclo se forme. Pois não adianta dar a formação profissional e não ter a possibilidade de trabalhar.”

>> Empresários comentam o trabalho de reinserção de egressos do sistema prisional no mercado de trabalho

O presidente da Fiesp e do Senai-SP disse que ficaria ainda mais feliz se estivesse entregando diplomas para um número maior de alunos. “Hoje estamos formando dez alunos, mas o grande desafio é ampliar muito mais e para outros setores. Formarmos centenas, milhares e dando real oportunidade a esses indivíduos de serem pessoas do bem e de poderem ter direito a uma vida feliz e ter tudo o que nós queremos ter.”

Panificadoras

Acreditar nas pessoas. Essa é a razão para o Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria de São Paulo (Sindipan) apoiar a iniciativa, segundo o presidente da entidade, Antero José Pereira. “Achamos que as pessoas devem ter novas oportunidades. Após cumprirem suas penas, eles são cidadãos normais e devem ter oportunidades iguais.”

O presidente do Sindipan disse acreditar que o projeto terá pleno êxito, principalmente, devido à participação do Senai-SP. “Se [os alunos] são qualificados pelo Senai-SP, então são profissionais bem qualificados. E o setor da panificação precisa de mão de obra de qualidade”, afirmou.

Chinaider Pinheiro, coordenador do programa “Empregabilidade” do AfroReggae, falou da alegria de estar ajudando esses dez egressos. “É um sonho que muitos vivem sozinhos e não conseguem realizar. E quando eles têm a oportunidade de serem recolocados no mercado de trabalho, depois de encarar diversos preconceitos, é a transformação.”

Agradecendo aos parceiros da iniciativa – Fiesp, Senai-SP e Sindipan – e a todos que direta e indiretamente contribuíram para o projeto, o representante do AfroReggae relembrou que serão muitos os beneficiários dessa ação. “Não estamos ajudando a realização apenas dos egressos, mas de seus familiares, pessoas que buscam apenas uma coisa: oportunidade. Pois são todos iguais a nós”, concluiu.

Convênio

No início da cerimônia de formatura, foi firmado o convênio entre a Fiesp e o Sindipan, que possibilitou a empregabilidade dos alunos em panificadoras  da capital e Grande São Paulo.

Leia mais

>> Empresários comentam o trabalho de reinserção de egressos do sistema prisional no mercado de trabalho