imagem google

Estado de S. Paulo destaca proposta da Fiesp para aquecer a economia brasileira

Reportagem traz sugestão feita por Paulo Skaf ao ministro Guido Mantega e ao secretário Andrea Calabi – a prorrogação do prazo de recolhimento de impostos

Imagem relacionada a matéria - Id: 1634728494

Reportagem foi publicada no caderno de economia do Estado de S.Paulo

Agência Indusnet Fiesp

Na reportagem “Indústria quer mais prazo para pagar imposto”, publicada nesta quinta-feira (05/07) , o jornal Estado de S. Paulo abre espaço para a proposta apresentada pelo presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, aos governos federal e estadual, durante o “Seminário Econômico Fiesp e Lide – “Agenda Brasil, Proposta para o Avanço Acelerado do País”.

Ao lado do ministro da Fazenda, Guido Mantega, e do secretário de Fazenda do Estado de São Paulo, Andrea Calabi, Paulo Skaf sugeriu alongar em 60 dias o prazo de pagamento de alguns impostos, como PIS, Cofins, IPI e ICMS.

“Hoje o setor produtivo financia em 49 dias os impostos. Ou seja, as empresas pagam os tributos e, em média, recebem do cliente depois desse tempo. Isso é um absurdo”, diz Paulo Skaf, em trecho ressaltado pelo jornal.

O Estadão destaca ainda que, segundo estudo da Fiesp, a medida proporcionaria alívio de 139,5 bilhões de reais aos cofres das empresas, em forma de capital de giro – hoje as empresas têm um custo financeiro de 7,5 bilhões de reais por causa do descasamento das receitas e do pagamento de impostos.

“Para pagar os tributos, muitos precisam de financiamento bancário, que tem juros elevados”, afirma na matéria José Ricardo Roriz Coelho, diretor-titular do Departamento de Competitividade e Tecnologia (Decomtec) da Fiesp.

Conheça o estudo do Decomtec/Fiesp:
Necessidade de Capital de Giro para Recolhimento de Tributos e o Custo Financeiro para Indústria de Transformação