imagem google

Esclerose múltipla é tema do primeiro +Saúde do ano

Na calçada da Fiesp, o público passou por testes neurológicos e atividades práticas a fim de vivenciar um pouco do dia a dia de um portador de esclerose múltipla

Mariana Soares, Agência Indusnet Fiesp 

O primeiro +Saúde do ano, promovido pelo Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia (ComSaude) da Fiesp, deu ênfase à orientação e sensibilização para a esclerose múltipla. Muita gente que transitou pela calçada da avenida Paulista, no domingo (17/2), parou para receber informações e passou por testes neurológicos a fim de vivenciar atividades práticas que simularam as dificuldades dos pacientes, como déficits motores, perda de sensibilidade e alterações visuais. Tudo isso para entender como é o cotidiano de um portador de esclerose múltipla.

O objetivo do +Saúde é informar a sociedade sobre temas relevantes ao bem-estar e qualidade de vida, uma vez que a orientação é a maior aliada no combate a doenças e a agilidade no diagnóstico facilita a qualidade de vida dos pacientes.

De acordo com Sumaya Afif, uma das diretoras da Associação Brasileira de Esclerose Múltipla (ABEM), as vivências com as limitações dos pacientes aproximam as pessoas dos portadores da doença que é crônica e sem causa definida, ou seja, não há prevenção. O importante é sensibilizar. “Quanto mais informação circular sobre a doença, as deficiências e barreiras do portador de esclerose, menor será o preconceito sofrido pelos portadores. Trazer para a avenida Paulista essa discussão é um marco, um divisor de águas no que diz respeito a inserção das pessoas com esclerose na sociedade”, reforça.

A administradora Adriana de Arruda recebeu o diagnóstico de esclerose múltipla há dez anos. Na época, antes de os médicos atestarem que ela era portadora da doença, manifestaram-se sintomas como visão dupla e perna com dormência. “Eu realizo as atividades cotidianas com algumas limitações, mas tenho uma vida feliz. É muito bom poder falar isso para as pessoas”, completa.

O médico neurologista Rodrigo Thomaz alertou para os sintomas mais comuns de esclerose múltipla: visão dupla e perda de visão de uma vista, dormência ou sensação de formigamento, tremor nas mãos, paralisia parcial ou total de uma parte do corpo, problemas na fala (arrastada ou lenta), fraqueza em excesso, déficit na coordenação dos movimentos, perda de controle da bexiga e do intestino e arrastar os pés ao caminhar.

No início da doença, os sintomas são geralmente leves. Mas voltam a aparecer. De acordo com o especialista, é importante esclarecer como identificar os sinais, mas também serve para desmistificar o termo esclerose. “A sociedade precisa entender como vivem os pacientes. Um evento como esse é importante porque mostra, inclusive, para os empregadores que pessoas com esclerose múltipla podem exercer funções remuneradas, ou seja, não precisam ser excluídas do mercado de trabalho”, alerta.

Interessados em obter outras informações sobre a doença e seu tratamento, podem acessar o site da ABEM: www.abem.org.br

Imagem relacionada a matéria - Id: 1558880015

O primeiro +Saúde do ano, promovido pelo Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia (ComSaude) da Fiesp, deu ênfase à orientação e sensibilização para a esclerose múltipla. Foto: Karim Kahn