imagem google

Em webinar, autoridades da saúde tratam da expectativa de se ter em breve uma vacina contra o Coronavírus

Em condições normais de saúde pública, uma vacina levaria, em média, cinco anos para ser desenvolvida. Diante da emergência atual, esse tempo pode ser reduzido

Mariana Soares, Agência Indusnet Fiesp

Na manhã desta quarta-feira (8/10), a Fiesp realizou um webinar para apresentar o panorama atual da pandemia da Covid-19, que já afetou, diretamente, mais de 30 milhões de pessoas no mundo. Entre os assuntos, as perspectivas e os desafios do setor para o desenvolvimento de vacinas contra a doença. Os especialistas Jorge Kalil, professor titular de Imunologia Clínica e Alergia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Fmusp) e líder científico em pesquisa de vacina no Brasil, e José Medina, diretor superintendente do Hospital do Rim e membro do Conselho Superior Estratégico da Fiesp, foram os especialistas convidados para tratar deste importante tema. O encontro se deu durante reunião do Departamento de Ação Regional (Depar) e do Comitê da Cadeia Produtiva da Saúde e Biotecnologia (ComSaude).

Paulo Henrique Fracaro, diretor do ComSaude, da Fiesp e do Ciesp, afirmou que a quantidade de informações acerca do assunto somada à ansiedade pela volta da normalidade e da segurança sanitária no país foram os motivos pelos quais a Fiesp realizou a discussão desta quarta-feira. “Nossa intenção é criar um canal de comunicação com alguns dos melhores especialistas no assunto para que a sociedade fique tranquila, porém informada”, completou.

O médico Jorge Kalil explicou que o objetivo da vacina é estimular a defesa do corpo contra o vírus. Atualmente, cerca de 170 candidatas à vacina estão em desenvolvimento ao redor pelo mundo. “Nós acreditamos que descobertas positivas neste sentido irão acontecer nos próximos seis meses. Este é o objetivo do trabalho dos médicos, da comunidade científica”, disse.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1603519654

O médico Jorge Kalil explicou que o objetivo da vacina é estimular a defesa do corpo contra o novo vírus e que, atualmente,  há cerca de  170 candidatas à vacina em desenvolvimento. Fotos: Karim Kahn/Fiesp

Em condições normais de saúde pública, uma vacina levaria, em média, cinco anos para ser desenvolvida nos parâmetros de segurança e eficácia necessários, incluindo as três fases de testes clínicos. Diante da emergência do novo Coronavírus, esse tempo deve ser reduzido.

José Medina também é coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo, órgão que desde o início da pandemia vem realizando a pesquisa e o monitoramento adequados com foco no cuidado da população e na preservação da atividade econômica do estado. “A orientação de usar máscara sempre, manter o distanciamento social e a higiene das mãos permanece com força total mesmo com maior controle da transmissão. Não devemos relaxar nestas medidas, mas a população precisa seguir tranquila, procurando informações confiáveis sobre o tema”, reforçou.

Para assistir na íntegra o webina Vacina contra Covid-19, acesse aqui o canal do Youtube da Fiesp.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1603519654

José Medina, coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo, reforçou a necessidade de continuar com as medidas preventivas: máscara, higiene e distanciamento social