imagem google

Em preparação para a COP21, Fiesp lança hotsite sobre mudança do clima

Equipe técnica integra delegação brasileira nas discussões globais

Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) conta a partir de agora com um site específico voltado às questões climáticas e à atuação do Comitê de Mudança do Clima da entidade, atuante desde 2009.

A exemplo de anos anteriores, a Fiesp contará com equipe técnica que acompanhará a delegação brasileira à COP21, atenta aos debates globais e seus desdobramentos. A COP21 será realizada de 30 de novembro a 11 de dezembro em Paris.

Saiba mais sobre o trabalho desenvolvido pelo setor industrial: www.fiesp.com.br/clima-em-debate.

Conheça o histórico da atuação da Fiesp nas questões climáticas

A Fiesp conta com forte agenda ambiental, impulsionada especialmente a partir da Conferência de Estocolmo, realizada em Estocolmo, na Suécia, em 1972, quando foi feita a Declaração Universal do Meio Ambiente.

Em 1973, criou-se uma comissão de meio ambiente na entidade e que resultou no Departamento de Meio Ambiente (DMA) com o objetivo de compreender as questões ambientais e seus reflexos no setor industrial sob os princípios da sustentabilidade.

Em 2009, realizou-se a Conferência do Clima da ONU em Copenhague, na Dinamarca, a COP15. A Fiesp entendeu que era importante adotar estratégia de posicionamento sobre o assunto Mudança do Clima, internalizando ainda mais as discussões ambientais, e criando um Comitê de Mudança do Clima. Em outubro daquele ano foi lançado, em evento, o documento de posicionamento da casa, Mudanças Climáticas: o valor das convergências, com a presença do ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Al Gore. A Fiesp enviou à COP15 uma comitiva de técnicos e diretores do Comitê de Mudança do Clima e, desde então, tem participado de todas as Conferências globais.

O ano de 2012 trouxe um novo marco nos debates ambientais para o setor industrial. Após 20 anos da primeira reunião de chefes de Estado no Rio de Janeiro (a Rio92), o governo brasileiro e a ONU promoveram a Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. O objetivo foi renovar o compromisso político com o desenvolvimento sustentável e contou com dois eixos temáticos: a economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza e a estrutura institucional para o desenvolvimento sustentável.

A Fiesp e a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) se juntaram à Fundação Roberto Marinho e à Prefeitura do Rio para empreender uma iniciativa que foi o principal destaque dos eventos paralelos à conferência, o Humanidade2012. Projeto concebido pela cenógrafa Bia Lessa e pela arquiteta Carla Juaçaba, o pavilhão montado sob o Forte de Copacabana foi a grande atração e por lá passaram mais de 200 mil pessoas durante onze dias de evento. O Humanidade2012 recebeu debates sobre gestão compartilhada de praias, governança das águas, mudança do clima, produção e consumo sustentável e equidade de gênero. Nesse evento, a entidade divulgou seu posicionamento para a COP18, em parceria com a Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), chamado de “A Desigualdade é Insustentável”.

Ao longo de 2015, a Fiesp participou das reuniões intermediárias que ocorreram em Bonn, na Alemanha, onde construíram-se as bases da negociação que ocorrerá na 21a Conferência sobre Mudança do Clima da Organização das Nações Unidas (COP21), em Paris, na França, de 30 de novembro a 11 de dezembro. Além disso, tem promovido encontros e debates sobre o tema, com renomadas instituições ligadas a sustentabilidade.