imagem google

Em evento de transmissão de cargo, Skaf agradece apoio recebido e felicita novos presidentes

A partir de 1º de janeiro Josué Gomes assume presidência da Fiesp. Rafael Cervone estará à frente do Ciesp

Alex de Souza, Agência Indusnet Fiesp

“Nada do que foi apresentado aqui foi feito por uma pessoa, mas pela vontade e trabalho de todos nós. Desejo ao Josué [Gomes] e ao Rafael [Cervone] que sejam felizes, como eu fui ao longo desses 17 anos”, disse o presidente da Fiesp, Ciesp, Sesi-SP, Senai-SP e IRS, Paulo Skaf, durante evento realizado na quinta-feira (9/12), no Teatro do Sesi-SP, em São Paulo.

A solenidade que marcou o fim da gestão de Skaf à frente das entidades que representam a indústria de São Paulo foi marcada por uma retrospectiva de ações realizadas nos últimos anos, tais como a revolução educacional do ensino básico promovida na rede escolar do Sesi-SP, a modernização e atualização tecnológica dos centros de formação profissionalizante do Senai-SP e diversas campanhas e iniciativas que o Ciesp, ao lado da Fiesp, levaram adiante durante mais de 17 anos. Emocionado, Skaf agradeceu a todos os que o apoiaram durante sua gestão e afirmou ser “muito gratificante o trabalho que a indústria fez e faz pela educação, pela formação profissionalizante, pelo esporte, cultura e pelas pessoas de São Paulo e pelo Brasil”.

Eleito com 97% dos votos para assumir a presidência da Fiesp, em mandato de quatro anos que se inicia dia 1º de janeiro de 2022, Josué Gomes disse a Skaf que a tarefa de substituí-lo será muito difícil, e brincou com o fato de que as casas vão precisar de dois novos presidentes “para tentar fazer o que foi realizado em sua gestão”, mas foi firme ao declarar que “com a indústria e todos os setores produtivos unidos, vamos manter esse ritmo do Paulo e continuar mostrando a força da indústria brasileira”.

Já o presidente eleito para o Ciesp, Rafael Cervone, agradeceu pelo tempo em que esteve lado a lado com Skaf e por ter aprendido com ele “que sonhar o impossível é possível”. E acrescentou: “sua energia uniu pessoas e toda a indústria em torno de ideais e de fazer o bem,  e nós vamos sempre honrar a tua história”.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1652713097

Presidente eleito da Fiesp, Josué Gomes, afirmou que vai trabalhar para manter o ritmo de Paulo Skaf. Fotos: Karim Kahn/Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1652713097

Assim como fez com Josué Gomes, Skaf entregou uma caneta ao presidente eleito do Ciesp, Rafael Cervone, representando a continuidade

Ações durante a pandemia – A restrospectiva foi apresentada por meio de vídeos, apresentações musicais e a participação de convidados especiais, e transmitida pelo canal da Fiesp no YouTube.

Alguns dos destaques foram as ações realizadas pela Fiesp, Ciesp, Sesi-SP e Senai-SP durante os meses mais duros da pandemia, quando a indústria decidiu combater um novo inimigo e mobilizou homens e mulheres para continuar fornecendo o básico para população que mais precisava. O pontapé inicial foi a criação de um comitê de crise e o lançamento do portal Indústria X Coronavírus, onde foram reunidas todas as informações e notícias sobre o assunto, para que as indústrias pudessem rapidamente se adaptar a um momento inédito com total segurança jurídica. Vale ressaltar que a Fiesp lançou o primeiro protocolo de retomada de atividades, para auxiliar as empresas a recomeçar de forma segura.

Numa iniciativa inédita, o Senai-SP tomou a frente para consertar centenas de respiradores para hospitais públicos e ajudar a salvar milhares de vidas. Foi lançada uma campanha de conscientização do uso de máscaras, bem como a produção e doação pela própria entidade de um milhão de máscaras para unidades de saúde. Quando faltaram insumos, importados da China, o Senai-SP desenvolveu novas formulações para conseguir produzir álcool em gel com soluções disponíveis no mercado brasileiro. Dessa forma, mais de 700 mil frascos foram distribuídos em comunidades carentes, em parceria com associações locais. E para aliviar a fome dos mais vulneráveis, veio a ideia de usar as cozinhas industriais do Sesi-SP, que estavam fechadas, para produzir  230.000 refeições por dia, distribuídas durante quatro meses, por meio de ONGs.

Senai-SP – Formar pessoas para uma indústria cada vez mais competitiva e tecnológica é a missão do Senai-SP, que cria pontes entre o setor acadêmico e produtivo, proporcionando a jovens e adultos acesso à formação profissional de alta qualidade. As escolas do Senai-SP podem hoje ser comparadas às melhores escolas de formação profissional do mundo e estão conectadas com 31 setores produtivos. Para que isso se tornasse realidade, nos últimos 17 anos foram investidos R$ 2,8 bilhões na revitalização, ampliação e modernização de escolas, bem como em ativos tecnológicos e na criação de 14 institutos de tecnologia e inovação. Na principal competição internacional de profissões do mundo, a WorldSkills, 90% dos alunos do Senai-SP trouxeram medalhas. E na edição de 2015, realizada em São Paulo, o Brasil teve o melhor desempenho da história, tendo ficado em primeiro lugar, à frente de potências como Alemanha, EUA e Coreia do Sul, e o Senai-SP conquistou 6 das 11 medalhas de ouro do Brasil naquele ano.

Sesi-SP – Nos últimos 17 anos houve gigantes conquistas na rede de ensino da entidade, o que transformou a vida de milhares de crianças e jovens. E a história começa em 2007, quando a indústria entendeu que havia a oportunidade de promover uma revolução nas escolas do Sesi-SP. A ideia era ousada e consistia em transformar todas as escolas da rede, que funcionavam em prédios precários, em modernas escolas onde haveria educação de qualidade em tempo integral, que teria também atividades esportivas, o emprego de recursos tecnológicos, boa alimentação e cultura. Hoje são 144 unidades com padrão de primeiro mundo e quase 1 milhão de metros quadrados de escolas construídas durante a gestão de Paulo Skaf, e o objetivo foi alcançado.

As mudanças não pararam por aí. Além de modernas escolas funcionando em novos prédios, houve a implantação do ensino médio, para que a entidade pudesse ter ensino básico completo. Os adolescentes passaram a ter a oportunidade de fazer o curso do ensino médio articulado com cursos técnicos profissionalizantes do Senai-SP. Assim, ao terminar o ciclo, esses alunos poderiam sair da escola com uma formação profissional e 100% capacitados para o primeiro emprego. Depois vieram o programa de robótica educacional, os FabLabs, com a maior rede da América Latina, parcerias com prefeituras e diversas outras ações e programas. “O Sesi São Paulo vai seguir fazendo valer a visão de que o futuro se constrói com boa visão e muito, muito trabalho”, disse Paulo Skaf, em vídeo apresentado durante a cerimônia.

No esporte também se faz a educação. Por isso, houve a reformulação, ampliação, modernização e construção de diversos centros esportivos. E não apenas para alunos da rede, mas para crianças e jovens de toda a comunidade, que podem usufruir dessa estrutura por meio do Programa Sesi Atleta do Futuro, que promove a formação esportiva em função de convênios com as prefeituras. Os atletas do Sesi São Paulo já ganharam 13 mil títulos, sendo que 1.200 deles foram internacionais, o que inclui os esportes paralímpicos. Arte e cultura são indústrias que movimentam milhões de reais em empregos e também foram valorizados durante esses 17 anos. O investimento na indústria do entretenimento garantiu acesso a toda a população a espetáculos do mais alto nível de qualidade e beneficiou inúmeros artistas.

Fiesp/Ciesp – Ao longo do tempo, as entidades se consolidaram como palco central na realização de debates globais para o desenvolvimento do país, a ponto de se tornarem passagem obrigatória para líderes internacionais e chefes de Estado, tendo quase uma centena de presidentes, primeiros-ministros, reis e príncipes de diversas nações visitado a Fiesp e o Ciesp, além de milhares de embaixadores e ministros, senadores, deputados e delegações internacionais, numa demonstração de respeito e de prestígio pela casa da indústria.

Nesse período, as entidades totalizaram mais de 25 mil eventos e encontros que trouxeram para o debate múltiplos temas, tais como meio ambiente, energia, sustentabilidade, Indústria 4.0, educação e a competitividade, sempre com vista ao crescimento das pessoas e do Brasil. Esses eventos foram organizados pelos departamentos e comitês que funcionam como fontes permanentes de estudo e pesquisa, que atuam em torno de áreas específicas como infraestrutura, construção, agronegócio, defesa e segurança, saúde e segmentos formados por micro, pequenas e médias indústrias. Outro importante núcleo de debates é composto pelos 15 conselhos superiores temáticos, que contam com quase 1.000 participantes que buscam analisar questões relevantes para a indústria e para o país.

Foram ao menos 133 missões internacionais, com o intuito de abrir portas importantes na busca de novos mercados e negócios, e campanhas que representaram não apenas as aspirações da indústria nacional, mas da sociedade como um todo. Entre elas estão o movimento contra a aprovação da CPMF, que culminou com a coleta de 1,3 milhão de assinaturas, a luta pela redução dos impostos da cesta básica, o corte de 20% na conta de luz dos brasileiros, a guerra dos portos, a luta contra o aumento do IPTU na cidade de São Paulo, a batalha pela diminuição da taxa de juros, bem como a Campanha do Pato contra o aumento dos impostos. Sem falar das Reformas Trabalhista e da Previdência, as mudanças na NR 12, a exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e COFINS e tantas outras batalhas que produziram ícones que se tornaram símbolos de vitórias.

E tudo isso começou em 2004, depois de uma forte batalha eleitoral na qual a chapa de oposição, liderada por Paulo Skaf, venceu com uma proposta ousada. Naquela primeira eleição, representantes de 70 segmentos econômicos diferentes declararam voto aberto a Skaf, em uma demonstração inusitada de apoio ao candidato de oposição, e sua chapa venceu com 57,4% do total de votos, tendo sido a disputa mais acirrada em 63 anos de história da Fiesp. A partir daí, foram mais três eleições, com quase 100% dos votos. E durante todo esse tempo sua gestão inovadora colocou as entidades num patamar superior, especialmente em relação ao respeito que elas obtiveram junto a autoridades nacionais e internacionais, bem como perante a sociedade brasileira, que fez tudo isso deixando as casas com saúde  financeira invejável para qualquer entidade do mundo.

Para assistir ao evento completo, acesse a página da Fiesp no YouTube.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1652713097