imagem google

Delegado da PF explica atuação do Sisvant no combate ao contrabando

De acordo com Adriano Barbosa, valor das mercadorias apreendidas em janeiro deste ano, por meio do Vant, totalizou US$ 1.379.000; apresentação fez parte de Seminário na Fiesp

Ariett Gouveia, Agência Indusnet Fiesp

O combate ao contrabando também serve para atingir o tráfico de drogas. A afirmação é de Adriano Barbosa, delegado de Polícia Federal (PF) e professor da Fundação Brasileira de Ciências Policiais. Ele participou do seminário “Rastreabilidade de produtos – A ilegalidade e seu impacto na competitividade da indústria brasileira”, realizado nesta quarta-feira (22/10) pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Imagem relacionada a matéria - Id: 1568573840

Adriano Barbosa: produto de maior volume de apreensão na Tríplice Fronteira são os pacotes de cigarros. Foto: Tâmna Waqued/Fiesp


Com o tema “A repressão à criminalidade organizada transacional: o emprego do Sisvant no combate ao contrabando e ao descaminho”, o especialista apresentou a atuação do Sistema de Veículos Aéreos Não-tripulados (Sisvant) da PF, desde as características de aeronaves até as operações executadas nas fronteiras.

“Nosso objetivo estratégico é prover apoio de inteligência policial. O Vant não é uma ferramenta ostensiva, mas sim de busca de dado negado, de prospecção de dado de inteligência”, explicou Barbosa. “Temos foco na macrocriminalidade, a organizada, que tem tentáculos transnacionais e atinge a indústria.”

Segundo o delegado, a atividade principal da aeronave é buscar e coletar dados e promover vigilância (seguir) e contra-vigilância (ver se está seguindo alguém) de alvos. Essas informações abastecem as equipes operacionais e de análise.

A atuação do Sisvant, com voos iniciados em agosto de 2013, é concentrado na região da Tríplice fronteira (Brasil, Argentina e Paraguai). “Nosso foco principal é repressão ao contrabando, descaminho, tráfico de drogas e de armas.”

Ele destacou que a rota do contrabando é a mesma rota do tráfico. “Por vezes, o mesmo agente criminoso que promove a transnacionalidade do crime de contrabando também vende sua força criminosa para o tráfico de drogas”, afirmou o delegado, apresentando na sequência dados que apontam os pacotes de cigarros como o produto de maior volume de apreensão na fronteira.

“Quando a gente reprime o contrabando e descaminho, não só salvaguarda a indústria nacional e o Tesouro, mas também vidas.”

Barbosa disse que o valor das mercadorias apreendidas em janeiro deste ano, por meio do Vant, totalizou US$ 1.379.000. “O valor mensal de manutenção da aeronave é menos de R$ 500 mil, o que mostra que o investimento compensa”, declarou.

“O estado brasileiro tem ferramental tecnológico necessário para o combate ao crime. Não é suficiente, mas é necessário. Dentro das nossas limitações, estamos avançando e colaborando, para a prevenção e repressão da criminalidade que atinge tão fortemente a economia nacional.”

O seminário “Rastreabilidade de produtos – A ilegalidade e seu impacto na competitividade da indústria brasileira” é organizado pelo Departamento de Segurança (Deseg) da Fiesp.