imagem google

Crédito, empreendedorismo e digitalização são desafio para micros, pequenas e médias indústrias

Conselho Superior liderado pelo economista Luciano Coutinho irá subsidiar a Fiesp com propostas e políticas para o desenvolvimento dessas empresas

Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp

Na reunião inaugural do Conselho Superior da Micro, Pequena e Média Indústria (Compi) da Fiesp, em 2022, realizada nesta quarta-feira (13/4), foram delineadas as metas e as linhas de atuação do Conselho, que é presidido pelo economista Luciano Coutinho.

A reunião foi aberta pelo presidente da Fiesp, Josué Gomes da Silva, que ressaltou a importância dessas empresas para o país. Na ocasião, ele anunciou que, junto com Senai-SP e Sebrae, a entidade fará um grande programa para apoiar as micro, pequenas e médias indústrias se digitalizarem, entrando no rumo da Indústria 4.0.

O Compi tem como objetivo subsidiar a Fiesp como propostas e políticas para o desenvolvimento dessas empresas. A entidade já conta com projetos desenvolvidos pelo Departamento da Micro, Pequena, Média Indústria (Dempi) e Acelera Fiesp, que trabalhará em sinergia com o Compi.

Segundo Coutinho, a princípio, o foco do Compi estará em três eixos. O primeiro é do financiamento. O objetivo é melhorar a obtenção de crédito em um cenário de inflação e juros altos, ampliar do acesso das empresas ao mercado de capitais por meio de fundos e tornar efetivo o acesso aos instrumentos de fomento à produtividade, tais como a Lei do Bem, à Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), à Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Imagem relacionada a matéria - Id: 1660752404

No Compi, debates se deram em torno de empreendedorismo e acesso ao crédito. Fotos: Ayrton Vignola/Fiesp


O empreendedorismo é outro eixo temático. Coutinho falou dos desafios de empreender no Brasil, especialmente nos últimos oito anos, período em que o país esteve estagnado enquanto muitos outros avançaram velozmente. Ele enfatizou a necessidade de formação empresarial para o futuro e destacou a importância da inovação.

O terceiro trata dos desafios da digitalização nas micro, pequenas e médias indústrias, tendo a produção ‘enxuta’ como premissa, a gestão integrada on-line e a jornada digital em direção à indústria 4.0 – eixo que se conecta com o projeto que será lançado por Fiesp, Senai e Sebrae.

Em sua exposição, Sylvio Gomide, diretor do (Dempi) e Acelera Fiesp, apresentou as principais realizações do departamento nos últimos anos, como Feirões de Crédito e apoio às startups, por meio do concurso Acelera (desde 2011), Ideathon (oficina prática), Hackathon (desafios tecnológicos para resolução de problemas das startups e indústrias). Segundo ele, todas as ações se dão em sinergia com sindicatos e o Ciesp para apontar soluções práticas para as empresas que estão na ponta.