imagem google

Covid-19: “Estamos frente a uma questão biológica, sanitária e de saúde pública relacionada às mudanças climáticas” 

Ex-governador de São Paulo foi o convidado da reunião híbrida do Conselho Superior de Meio Ambiente da Fiesp

Mayara Moraes, Agência Indusnet Fiesp

Membros do Conselho Superior de Meio Ambiente da Fiesp (Cosema) da Fiesp, presidido por Eduardo San Martin, participaram de reunião com o médico e ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, nesta terca-feira (26/10), para discutir questões relacionadas ao meio ambiente, saúde e economia no cenário pós-pandêmico. 

Convidado pelos conselheiros para participar do primeiro encontro híbrido do grupo, desde o início do surto de Covid-19, Alckmin explicou como a questão ambiental converge com tantos outros campos, especialmente o da saúde, e como ela ajuda a explicar a ocorrência das pandemias que testemunhamos nos últimos 19 anos. 

“Grandes conglomerados humanos, pobreza, falta de saneamento básico, globalização e mudanças climáticas têm impacto no mundo biológico, levam à aparição de novos vírus, alterações cromossômicas e genéticas e mutações, o que nos preocupa e nos prepara para outras eventualidades de vírus”, disse o ex-governador. “Estamos frente a uma questão biológica, sanitária e de saúde pública relacionada a mudanças climáticas”, acrescentou. 

Ao entrar na seara ambiental, Alckmin lembrou de alguns dos principais projetos adotados durante seus últimos mandatos, como o estabelecimento do rodízio veicular, a diminuição da alíquota de ICMS do etanol e o lançamento do Programa Nascentes, que implicou na plantação de milhões de mudas em rios e nascentes, e engajou parte da população carcerária do estado de São Paulo. 

“Algumas medidas práticas são importantes”, disse ele. O rodízio foi criado para que a diminuicao da emissão de combustíveis fósseis ajudasse a melhorar a qualidade do ar no inverno, a redução do ICMS sobre o etanol em 12% deu um impulso para os motores flex fuel e diminuiu a questão da poluição, e o Programa Nascentes possibilitou a recuperação de dezenas de nascentes por meio da produção e plantação de 40 milhoes de mudas, e envolveu detentos de 28 penitenciárias do estado”, explicou. 

O ex-governador mencionou ainda a importante redução de emissão de carbono viabilizada pelos investimentos feitos na hidrovia Tietê-Paraná, pelo estímulo fiscal para a produção de energia solar e eólica e pela ampliação de redes de metrôs e trens ligadas a corredores de ônibus. 

Ao final da reunião, os conselheiros presentes fizeram importantes questionamentos ao ex-governador acerca do fim da bitributação sobre a reciclagem, da construção de usinas solares no estado e da produção de energia a partir de biogás gerado por aterros sanitários urbanos. Todas as propostas e sugestões foram recebidas com entusiasmo por Alckmin.  “O governo pode incentivar mais nas áreas fiscal, de crédito e apoio técnico, e ainda gerar renda”, disse o médico. “Existem projetos muito bons que podem ser desenvolvidos e estimulados”, concluiu, em sua participação.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1638626675

O ex-governador tratou de fatores que levam a cenários pandêmicos e enfatizou medidas possíveis para melhoria da qualidade de vida e do meio ambiente. Foto: Everton Amaro/Fiesp