imagem google

Conservação de alimentos e sustentabilidade em debate em simpósio na Fiesp

Voltado ao setor alimentício, I Simpósio Nacional de Eficiência Energética e Sustentabilidade para Conservação de Alimentos foi realizado nesta quarta-feira (22/03)

Solange Borges, Agência Indusnet Fiesp

Foi realizado, nesta quarta-feira (22/03), na sede da Fiesp, em São Paulo, o I Simpósio Nacional de Eficiência Energética e Sustentabilidade para Conservação de Alimentos. No evento, foi foram debatidos temas como a eficiência energética e a sustentabilidade, principalmente com foco nos setores supermercadista e de alimentação fora do lar.

José Rogelio Medela, diretor adjunto do Departamento de Meio Ambiente (DMA) da Fiesp, destacou que a discussão “é útil para a indústria, o produtor, o distribuidor e o usuário, a sociedade como um todo”.

O primeiro painel do simpósio tratou das soluções para lojas inteligentes: frio alimentar, ar condicionado e iluminação sob controle, com Alex Pagiato (engenheiro da Danfoss – multinacional dinamarquesa, presente em 20 países, que desenvolve soluções para obtenção de eficiência energética também na área de conservação de alimentos) e apresentação de cases.

Para ele, pequenas ações ajudam na economia de energia, como deixar as resistências ligadas por um período controlado, com programação para quando a loja está fechada. Isso além de dar melhor aproveitamento de entrada de luz natural ou de iluminação por meio de sensores.

Segundo Pagiato, na conta de energia elétrica o maior consumo se dá na climatização: 41,90% do custo. “A refrigeração pode representar 58% da conta quando não há climatização”, disse. “Nos últimos cinco anos, o custo da energia para o varejo subiu mais de 45%, às vezes é mais caro até do que o ponto alugado”.

O executivo ainda deu dicas de automatização para redução de custos. “Balcões antigos podem ter infiltração, comprometendo a conservação de produtos. A temperatura do expositor ou câmara é prioridade. Para isso, podem ser utilizadas válvulas de expansão eletrônica para melhor performance e controles adaptativos de degelos”, explicou.

Lâmpadas de LED são bem-vindas. “Outra dica diz respeito à utilização de lâmpadas de LED, com durabilidade de 50 mil horas, contra a fluorescente, com 2 mil horas de vida útil, poupando manutenção constante”, disse. “O sistema LED também diminui a emissão de CO2 na atmosfera”, explicou. Além do mais, estudos indicam que a luz branca do LED aumenta a sensação de segurança de cliente e dos funcionários.

A discussão sobre novos fluidos refrigerantes – soluções sustentáveis – tendências mundiais – Protocolos de Kyoto e Montreal e Acordo de Kigali no evento ficou a cargo de representante da Arkema, multinacional francesa da área química, especializada em fluidos refrigerantes.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1571876923

O simpósio: dicas para supermercadistas e empresários de alimentação fora do lar. Foto: Helcio Nagamine/Fiesp


Na sequência, foram apresentadas tendências na conservação de alimentos com qualidade e redução de custos, com experiências  da Europa e dos Estados Unidos. O tema foi apresentado por Sandra Mian, há mais de 20 anos estudando mercados internacionais. Foi debatido ainda o alto rendimento em sistemas de refrigeração com Rafael Lopes (engenheiro da alemã ebm-papst) e a importância do sistema de isolamento com Antônio Borsatti (engenheiro da Armacell do Brasil).

Logística reversa

A logística reversa por uma indústria sustentável foi outro tema debatido. E ficou a cargo de Luiz Ricardo Berezwoski (gerente Nat.Genius). Trata-se de um modelo que repensa as atuais práticas econômicas como um sistema regenerativo, no qual todos os materiais podem ser reaproveitados em outros processos industriais, gerando novos produtos e evitando assim o desperdício, com menos consumo de matérias-primas.

Soluções sustentáveis e eficientes integradas no frio alimentar foram trazidas ao simpósio por Sidney Mourão (Perfil Refrigeração & Ar Condicionado). Para encerrar, as questões tributárias envolvendo energia e sustentabilidade foram colocadas por Ronaldo Stange e Renan Gallinari, ambos advogados e especialistas em questões tributárias e análises de contas de energia.

O evento representou a segunda parte de uma discussão iniciada com outro simpósio realizado na Fiesp em 08 de março. Para ler sobre essa primeira etapa, só clicar aqui.