imagem google

Conselho Superior da Indústria da Construção discute evolução do setor em meio à pandemia

Especialistas avaliam crédito e reação da construção civil, considerada atividade essencial, frente à pandemia

Agência Indusnet Fiesp

Dando continuidade a reunião realizada no dia (28/5), o Conselho Superior da Indústria da Construção da Fiesp (Consic) fez uma apresentação, na última quinta-feira (18/5), por meio de videoconferência, sobre o cenário da construção civil diante da pandemia.

Carlos Gantois, vice-presidente da Associação Comercial da Bahia (ACB), citou que, na Bahia, a indústria e a construção civil foram as menos afetadas já que são consideradas atividades essenciais. “As obras não pararam, mas obviamente diminuiu o ritmo que já vinha desacelerado. Tememos que o isolamento social rigoroso, na Bahia, avance muito e tenhamos um risco de uma profunda recessão”, disse.

Segundo Gantois, considerando o panorama atual, a Medida Provisória n. 975, com Programa Emergencial de Acesso ao Crédito, é um alento. “Desde que esse crédito chegue ao pequeno e médio empresário. Minha preocupação é que isso demora, muitas exigências, muita burocracia”, lembrou.

Marcelo Kaiuca, vice-presidente do Sinaprocim, acredita que junho tem se mostrado um mês melhor. “Parece que as coisas estão andando”, comentou. José Romeu, diretor titular do Departamento da Indústria da Construção e Mineração (Deconcic), acrescentou que, com a abertura dos stands imobiliários, as vendas, que pararam devido às incertezas geradas pela pandemia, estão sendo concretizadas.

O presidente do Consic, José Carlos de Oliveira Lima, finalizou a reunião otimista. “Estamos nos tornando mão de obra especializada, bem cuidada, não é transitória”.