imagem google

Congresso abre nova cruzada pelas micro e pequenas

Propostas como redução da carga tributária e elevação do teto de enquadramento no Simples serão levadas ao novo Governo

Rubens Toledo, Agência Indusnet Fiesp

Imagem relacionada a matéria - Id: 1576441170

O presidente da Fiesp/Ciesp, Paulo Skaf, discursa na abertura do V Congresso da Micro e Pequena Indústria, que reuniu mais de 1.000 participantes no Hotel Renaissance, Capital. Foto: Kenia Hernandes



O dilema das micro e pequenas empresas, que temem crescer e perder os incentivos fiscais para MPIs, abriu os debates do V Congresso da Micro e Pequena Indústria.

O teto para enquadramento no Simples, hoje fixado em R$ 2,4 milhões de faturamento anual, é uma camisa-de-força para as empresas que estão em crescimento, apontou Paulo Skaf, presidente da Fiesp/Ciesp, na abertura do encontro na manhã desta quinta-feira (14), no Hotel Renaissance, Capital.

“Esse limite está defasado. Deveria estar em pelo menos R$ 3 milhões, se considerada a inflação dos últimos três anos. Vamos fazer com que esse limite aumente, porque isso é justo e necessário”, sublinhou Skaf.

A segunda questão que deve representar mais uma bandeira de ação imediata nas entidades é, segundo Skaf, o impacto negativo da lei de substituição tributária sobre as MPIs, que, na maior parte dos casos, retirou os benefícios do Simples.

“O fornecedor de bens ou serviços nesse regime tem tido dificuldade de creditar-se dos impostos que lhe são repassados pelo cliente”, sintetizou.

Ainda de acordo com Skaf, elevação do teto e solução do nó imposto pela substituição tributária são apenas aspectos de uma reforma tributária mais ampla que precisa ser enfrentada pelo próximo governo, logo após o término do processo eleitoral. “Esse tipo de medida precisa ser tomada logo na largada do novo mandato, para surtir efeito”, afirmou.

Propostas serão levadas ao novo governo

O Congresso inclui várias atividades paralelas, como Sala de Crédito, Rodada de Negócios e Sala de Capacitação, onde são ministradas palestras de professores de cinco universidades.

“Mais do que um fórum de debates, aqui estão também as ferramentas e o conhecimento para promover o empreendedorismo”, destacou Milton Bogus, diretor-titular do Departamento da Micro, Pequena e Média Indústria (Dempi) da Fiesp.

A proximidade com o pleito eleitoral, que vai definir os novos rumos do País, deve aprofundar os debates desta quinta edição, observou Bógus. As propostas, a serem fechadas nos próximos dias, serão apresentadas ao novo mandatário da Nação, afirmou o diretor, satisfeito com o evento.

“Estamos batendo recordes a cada ano. Temos 1.700 inscritos contra 1.300 inscrições registradas no ano passado”, comparou Bógus, destacando a presença de empresas não só da Capital, mas também do Interior paulista.

“As 38 Diretorias Regionais estão presentes, bem como muitas das milhares de empresas associadas”, confirmou Rafael Cervone, 1º vice-presidente do Ciesp. “O tema da Micro e Pequena Empresa é da mais alta relevância porque é o setor que movimenta nossa economia, gera emprego e renda e requer esforço ainda maior de todos nós para discutir a questão do teto, que está desatualizado e precisa ser elevado com urgência, senão ficamos na síndrome de Peter Pan”, reforçou.

A participação de membros do Legislativo pôs um pouco de calor aos discursos da manhã, quando se pronunciaram o deputado federal Cláudio Vigatti, membro da Frente Parlamentar Mista da Micro e Pequena Empresa, e o deputado Vicente Cândido, da Frente Parlamentar de Apoio à Micro e Pequena Emrpesa na Assembléia Legislativa, e ainda o vereador de São Paulo, Floriano Pesaro, presidente da Frente Parlamentar em Defesa das Microempresas, das Empresas de Pequeno Porte, dos Microempreendedores Individuais e das Cooperativas, na Câmara paulistana.

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) foi representado pelo secretário Edson Luparini Júnior. Já o Executivo estadual, pelo secretário de Desenvolvimento, Luciano Almeida, que discorreu sobre projetos do Governo paulista em prol das MPIs.

“As incubadoras de empresas se firmam como um dos principais instrumentos de apoio ao empreendedorismo”, salientou Almeida.

Evento prossegue com Rodada de Negócios

O V Congresso da Micro e Pequena Indústria registra mais de 1.000 participantes. O evento prossegue ao longo desta tarde com Rodada de Negócios e atividades nas Salas de Capacitação e Sala de Crédito, no Hotel Rennaissance, Capital (Alameda Jaú, 1620).