imagem google

Com jovens promessas, Sesi-SP encerra participação na Superliga 2020/21 na 10ª posição

Cumprindo o objetivo da temporada, de dar oportunidades a jovens talentos, grupo da capital paulista assegura vaga e permanece na elite do voleibol para 2022

Amanda Demétrio, Agência Indusnet Fiesp
 
Imagem relacionada a matéria - Id: 1638404231

Fotos: Amanda Demétrio/Fiesp

Depois de 22 jogos em 128 dias, o time masculino de vôlei do Sesi-SP encerra sua participação na Superliga Banco do Brasil 2020/2021 com sentimento de objetivo cumprido. Há mais de 10 anos investindo no Esporte de Rendimento e no desenvolvimento esportivo como ferramenta educacional, o grupo da Vila Leopoldina, chegou para a temporada diferente, com uma formação oriunda das categorias de base e com a missão de colher frutos dentro do trabalho formador, utilizando jovens valores com grandes chances futuras.

Com jogos atrasados por conta de casos positivos da Covid-19, os meninos receberam na noite desta segunda-feira (8/3), o time EMS Taubaté Funvic, em partida remarcada, válida pela 8ª rodada do returno. Mas, mesmo com o placar desfavorável, sofrendo revés por 3 sets a 0 (13/25, 23/25 e 14/25), o time comandado pelo técnico Marcelo Negrão somou 17 pontos em cinco vitórias, enfrentou de igual grandes adversários, assegurou sua vaga e permanece na elite do vôlei nacional para a próxima temporada.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1638404231

“É uma sensação de missão cumprida, uma responsabilidade grande, pois o Sesi-SP tem tradição de ser uma grande equipe e manter-se na elite era o nosso objetivo. Foi um trabalho muito bonito de toda a nossa equipe. Todos foram sensacionais, preparador físico, fisioterapeuta, nutricionista e psicóloga. Eu, como técnico, me via nesses garotos e muitas vezes dava até meu exemplo pra eles. Disse que, se eu consegui, eles também poderiam conseguir”, comentou o técnico Marcelo.Além do coletivo, dois nomes do elenco ganharam destaque nas estatísticas da competição.

Com um total de 400 pontos, Darlan Souza encerrou a fase classificatória no topo do ranking dos melhores pontuadores. No saque, o jovem oposto aparece em 7º com 18 pontos. Já nas estatísticas do bloqueio, o central Léo Andrade figura na 3ª colocação com uma porcentagem de 0,73% (32/44) de efetividade.”No início eu não imaginava que poderia terminar como maior pontuador, disputando com gente grande, mas ao longo dos dias o time foi me ajudando bastante, logo eu fui entrosando bastante, principalmente com o Caio, levantador e tudo foi fluindo. Claro que eu sei que tenho de desenvolver mais minha maturidade, ter um pouco mais de calma em algumas situações, mas essa Superliga foi de grande aprendizado”, explicou o oposto Darlan.

Para o central Léo, ser destaque no bloqueio, fundamento que sempre se destacou, foi um prêmio da temporada. “Tudo é um processo, né? E a gente que saiu da base conseguiu transferir todo o conhecimento que nos passaram para dentro da quadra, mesmo em um universo totalmente adulto. Eu sempre me destaquei no bloqueio, desde a base, que é uma coisa que eu treino bastante e a comissão técnica me ajudou muito nessa questão, porque é muito diferente o bloqueio da base para o adulto. Então, conseguir ter uma boa performance no bloqueio em uma competição adulta é inexplicável pra mim, porque é uma coisa que eu gosto muito de fazer”, disse Léo.O camisa 8, Murilo Endres, pilar do projeto do grupo da Vila Leopoldina desde a sua fundação em 2009, teve não só a missão de jogar, como de repassar todo o seu conhecimento para os mais jovens. O jogador, que atua de líbero, encarou sua 11ª temporada pela equipe paulista.

“Foi uma temporada bem desafiadora e difícil pra gente. Assumimos esse desafio de jogar com uma equipe praticamente sub-21 e eu tendo um papel de líder, ajudando no desenvolvimento da nossa base aqui do Sesi-SP. Foi um desafio muito difícil para eles, mas conseguimos ver uma evolução grande do primeiro jogo lá no Paulista até esses últimos que tivemos agora e que foram importantes para nossa permanência na Superliga A, que era o objetivo principal este ano, além de dar bagagem e rodagem para os nossos garotos”, falou o camisa 8.“Tenho certeza que foi uma experiencia excepcional para todos eles e pra mim também. Tínhamos até o sonho de ficar entre os oito e no nosso dia a dia a gente trabalhava para isso. Não conseguimos esse objetivo, que seria um passo a mais daquilo que foi proposto para essa temporada, mas estamos satisfeitos com a evolução de todos os garotos e esperamos dar continuidade no projeto e já começar a pensar na próxima Superliga”, finalizou Murilo.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1638404231