imagem google

Colaborar com a competitividade é um dos focos do Programa de Ciclo de Vida de produtos

Afirmação é do diretor do Departamento de Meio Ambiente da Fiesp, Mário Hirose, ao debater o tema em reunião da CAIP

Solange Sólon Borges, Agência Indusnet Fiesp

No último encontro da Câmara Ambiental da Indústria Paulista, realizado dia 8, na Fiesp, especialistas debateram sobre o ciclo de vida do produto. Na oportunidade, a assessora da presidência do Inmetro, Elizabeth Cavalcanti, apresentou o Programa Brasileiro de Ciclo de Vida (PBACV), um comitê gestor composto por 29 representantes de setores diversificados.

Ela explicou que o programa poderá ser revisto anualmente e se elaborou um Plano de Ação Quadrienal (2012/2015). A arquitetura do PBACV abriga cinco comissões técnicas: Captação, Recursos/Inventários, Avaliação de Impactos, Difusão e Formação e Capacitação.

Para Elizabeth, a comissão de inventários é a que precisa de maior participação da indústria para sensibilizar os mais diversos setores produtivos. Já existem grupos de trabalho constituídos: construção, metais, energia, eletroeletrônicos, combustíveis e agropecuária, por exemplo. A academia igualmente estará representada por conta da adoção de metodologias, validação e reconhecimento, informou a assessora.

O diretor do Departamento de Meio Ambiente (DMA) da Fiesp, Mario Hirose, disse que um dos objetivos do programa é colaborar com a competitividade nacional. Mas pontuou: “Em contrapartida, não deveríamos receber produtos importados inadequados, que desrespeitem o esforço brasileiro no campo ambiental”.

Também presente ao debate, Eduardo Daniel, do Sindicato da Indústria de Condutores Elétricos, Trefilação e Laminação de Metais Não Ferrosos do Estado de São Paulo (Sindicel), fez um relato dos trabalhos da Comissão de Inventário e reforçou que a Avaliação do Ciclo não é tema novo. Conforme ele, há modelos de avaliação adotadas no exterior, mas que têm especificidades. “O importante é disponibilizar especialistas para o setor produtivo e auxiliar na disseminação e divulgação”, refletiu.