imagem google

CEO da XP participa de bate-papo com o Comitê de Jovens Empreendedores

Guilherme Benchimol destacou educação financeira e tendências para o ambiente de negócios e o mercado de trabalho nos próximos anos

Tássia Almeida, Agência Indusnet Fiesp

Para inspirar os empreendedores no cenário desafiador provocado pela pandemia do Coronavírus, o Comitê de Jovens Empreendedores da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) convidou o CEO da XP Inc. Guilherme Benchimol para bate-papo virtual sobre educação financeira e perspectivas de mercado. O encontro on-line, transmitido pelo Youtube, aconteceu na última segunda-feira (24/8) e o público poderá aprender com as experiências da XP e conhecer os novos comportamentos e as tendências que os negócios e o mercado de trabalho irão apostar nos próximos anos.

No comando de uma das maiores instituições financeiras do Brasil, Benchimol foi eleito em 2018 pela Bloomberg como uma das 50 pessoas mais influentes do mundo. Formado em Economia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), o empresário virou referência em inovação e empreendedorismo ao democratizar o acesso a investimentos de qualidade para milhões de pessoas e transformar o mercado financeiro do Brasil.

Durante o evento, ele foi questionado sobre a taxação e comentou: “É um tema polêmico, naturalmente”. Lembrou que, no Brasil, a carga tributária é maior para a Pessoa jurídica e está defasada na Pessoa Física se comparada com o que ocorre em outros países do mundo. Segundo ele, há uma deficiência fiscal muito grande que nos leva a ter os juros mais elevados do mundo nos últimos 26 anos. A saída, de acordo com ele, seria buscar eficiência na despesa, ter um Estado mais enxuto e construir impostos aplicados mais à renda que ao consumo.

Sobre as mudanças provocadas pela pandemia, Benchimol comentou que a XP teve o segundo caso de Covid-19 do Brasil. Assim, a empresa que possui 3 mil funcionários, precisou “se mexer muito rápido”, disse. Como não depende do cliente frequentando o seu ambiente, a XP teve o caminho facilitado e investiu fortemente em home office.  A vida corporativa no formato anterior à pandemia mudou, mas Guilherme encontrou um campinho para manter os pontos positivos do formato de trabalho tradicional (calor humano, contato físico e energia do escritório) e pensou na Vila XP, que será a verdadeira matriz da empresa, em São Roque. Um lugar onde as pessoas vão poder se encontrar, fazer treinamentos, compartilhar as melhores práticas, conversar sobre cultura e lançar projetos. “Mas as pessoas não vão mais bater ponto na empresa. A gente não acredita que esse formato exista mais. As pessoas vão trabalhar mais das suas casas, morando onde elas quiserem, tendo mais qualidade de vida”, pontuou o empresário.

Para conferir o bate-papo completo, acesse este link.

Imagem relacionada a matéria - Id: 1606604422